Postado às 15h07 política Nenhum comentário Enviar por e-mail

Blog do Heitor Gregório

Gutson Reinaldo citou parlamentares na delação premiada (foto: Tribuna do Norte)

O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, homologou delações premiadas feitas pelo ex-diretor do IDEMA – Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte – Gutson Reinaldo, preso na Operação Candeeiro, e ainda por Vilma Rejane Maciel de Sousa, técnica no setor de licenciamento ambiental da Fundação para o Desenvolvimento Sustentável da Terra Potiguar (Fundep).

Um senador e dois deputados federais do Rio Grande do Norte foram citados no material homologado pelo Ministro do STF e deverão ter inquérito aberto pelo para investigação. As delações servirão ainda para a Operação Dama de Espadas, que tem apontada como mentora a ex-procuradora da Assembleia Legislativa, Rita das Mercês Reinaldo, mãe de Gutson Reinaldo.

A partir de agora, outros inquéritos da Operação Dama de Espadas também serão abertos, segundo informações, e os autos das duas operações, seguem para o STF, podendo envolver outros políticos do Rio Grande do Norte.

A Operação Candeeiro e Operação Dama de Espadas foram deflagradas em um intervalo de apenas duas semanas. O acusado de ser mentor da primeira é Gustson Reinaldo, que é filho de Rita das Mercês, apontada como mentora da segunda operação.

O delator Gutson Reinaldo se comprometeu a devolver R$ 350 mil em espécie e 21 imóveis que totalizam um valor de aproximadamente R$ 10 milhões, que segundo ele, foram adquiridos com os desvios de recursos.

NOTA DO BLOG: Quem é o senador? E os deputados federais? Responda logo, 2018 já está bem aí.


Postado às 11h54 Segurança Nenhum comentário Enviar por e-mail

Prefeita Rosalba Ciarlini embarca para Brasília (foto Carlos Costa)

A prefeita Rosalba Ciarlini (PP) será recebida em audiência pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Osmar Serraglio, nesta terça-feira (28), em Brasília.

A prefeita estará acompanhada do deputado federal Beto Rosado (PP) e do secretário municipal de Segurança, Eliéser Girão.

Na visita será solicitada a liberação de recursos para investimentos em segurança, a partir do Plano Nacional de Segurança, recém- lançado pelo Ministério.

Rosalba vai apresentar ainda solicitação de um projeto para Mossoró que prevê a instalação de um Centro de Vídeomonitoramento de Veículos, para auxiliar órgãos de segurança como a Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Polícia Militar, Polícia Civil e a Guarda Municipal.

Saúde

A prefeita também agendou audiência com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para discutir projetos e parcerias para a área de saúde.

Em recente visita a Mossoró, o ministro anunciou o processo de credenciamento da UPA do Alto de São Manoel. O encontro também contará com a participação do secretário de Saúde, Benjamin Bento.


Postado às 09h43 política Nenhum comentário Enviar por e-mail

Numa entrevista no fim de semana, o ex-ministro e ex-governador do Estado do Ceará, convertido no ano passado ao PDT de Brizola, Cid Gomes, disse que se o juiz Sérgio Moro mandar prendê-lo receberá a Polícia Federal à bala.

Fanfarra.

Cid não é alvo de investigação da Lava Jato. Até aqui, não. Logo, não ameaça de prisão.

Jogou para a plateia, bem ao seu estilo.

Ninguém leva a sério, claro.

É um fanfarrão.


Postado às 09h13 Cultura Nenhum comentário Enviar por e-mail

A Escola de Artes completa 5 anos de existência nesta segunda-feira (27). A data também se comemora o Dia Mundial do Teatro.

A escola foi inaugurada no dia 27 de março de 2012, na segunda gestão da prefeita Fafá Rosado. Ocupou o prédio onde funcionava uma escola municipal, na Avenida Alberto Maranhão, esquina com o Ginásio Poliesportivo Pedro Ciarlini.

Uma programação artístico-cultural marcará o aniversário da Escola das Artes,com inicia às 19h.

Será realizada vivência com artistas da Escola, exposição de Naide Batista, apresentação do Movimento Arte e Violão e as participações especiais do poeta e cordelista Antônio Francisco e da Cia A Máscara de Teatro.

Dia do Teatro

No dia 27 de março é comemorado o Dia Mundial do Teatro. A data foi criada em 1961 pelo Instituto Internacional de Teatro, ligado à Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).


Postado às 08h57 Gerais Nenhum comentário Enviar por e-mail

Uma longa fila se formou nas primeiras horas desta segunda-feira (27) em torno da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, na rua Rui Barbosa, por candidatos a uma das 400 vagas ofertadas pela empresa A&C.

A fila ocupa, além da Rui Barbosa, a rua Lopes Trovão e a Avenida Rio Branco, no no centro da cidade.

Podem fazer as inscrições candidatos com faixa etária a partir dos 18 anos devem ter concluído o ensino médio e apresentar o currículo com foto e documentos pessoais (RG e CPF) para realização do cadastro no setor responsável.


Postado às 05h49 Artigo Nenhum comentário Enviar por e-mail

(*) Renato Casagrande

Outro caminho para a reforma da Previdência é a proposta da Fundação João Mangabeira e do PSB para os brasileiros e brasileiras, como opção ao projeto do governo. A nova proposta considera que o sistema de Seguridade Social inaugurado pela Constituição Federal de 1988 deve ser preservado.

Mais do que uma reforma, a Previdência precisa de uma reavaliação e adequação aos dados atuais e projeções para o futuro. Além de preservar direitos, a proposta que apresentamos torna o sistema de Seguridade Social, do qual a Previdência é parte, sustentável, assim como o leva a contribuir decisivamente para o ajuste fiscal.

A Constituição de 1988 estabelece que o governo deve apresentar anualmente três orçamentos distintos: o fiscal, o de investimento das estatais e o da Seguridade. Mas isso nunca foi implementado. Os orçamentos fiscal e da Seguridade são apresentados em conjunto e os dados deixam de ser claros e específicos, como revela a pesquisadora Denise Gentil. Na série histórica, produzida por ela, entre os anos de 2007 e 2014, o superávit da Seguridade é constante e variou entre 32 bilhões (menor valor, em 2009) e 78 bilhões de reais (o maior, em 2012).

A proposta encaminhada pelo governo ao Congresso Nacional é conservadora e objetiva cortar benefícios de quem mais precisa. Não leva em consideração as desigualdades do Brasil. Busca formar um mercado privado de previdência e ataca o conceito de Seguridade Social, atingindo um dos seus pilares, a Previdência. Certamente, os próximos passos serão o enfraquecimento dos serviços de saúde e de assistência social.

Vejamos algumas injustiças. De acordo com dados do IBGE, enquanto em Santa Catarina a expectativa de vida de um homem ao nascer é de 75,4 anos, no Maranhão essa expectativa cai para 66,6 anos. Essas desigualdades da sociedade brasileira devem continuar a ser levadas em conta como fez a Constituição de 1988, sem que se permitam exageros e distorções.

Sem salários fixos, os trabalhadores rurais não podem realizar contribuições mensais. Na cana-de-açúcar, por exemplo, menos de um terço deles mantém vínculos permanentes. Cerca de 3 milhões só encontram ocupação sazonal, com contratos de até quatro meses. Ameaçar a aposentadoria por idade é um problema, pois 80% dos idosos estão protegidos com um salário mínimo, e isso é um avanço, uma vez que deixam de ser um peso para suas famílias, tornando-se em muitos casos provedores da casa.

Apesar de saber que os governos usam números distorcidos para produzir déficit na Previdência, é preciso levar em consideração a nossa situação demográfica. Segundo o IBGE, a proporção entre idosos e adultos no Brasil crescerá de 11,5% em 2015 para 44,4% em 2060.

Portanto, a dinâmica demográfica brasileira, que traz dados positivos sobre o aumento da expectativa de vida e ampliação da população idosa no país, fortalece o argumento favorável a que se faça uma reformulação da Previdência com sustentabilidade como aquelas que o Partido Socialista Brasileiro pretende.

Segundo a nossa proposta, a contribuição previdenciária será dividida em duas partes: uma delas, majoritária, permanece no atual regime de repartição e a outra é transferida para um fundo público e compulsório de capitalização, com contas individuais.

Para garantir a segurança de longo prazo aos associados, o fundo de capitalização aplica seus recursos, necessariamente, em títulos do Tesouro, que não precisaria mais negociar apenas com bancos privados. Os títulos públicos passam a receber esse fluxo permanente de recursos, em aplicações de longo prazo, garantidas por lei. Isso leva à redução rápida e consistente da taxa de juros e a um alongamento do perfil da dívida pública.

Defendemos ainda que o governo abra mão de usar a Desvinculação das Receitas da União, o que fará com que a Seguridade Social receba uma injeção de recursos da ordem de 30% do valor de seu Orçamento. Também seria revista, criteriosamente, a política de desonerações tributárias, com impacto fiscal imediato e positivo.

O Regime Próprio de Previdência Social acumula as distorções que oneram o sistema. O fundo que administra as aposentadorias dos funcionários públicos é deficitário e concentrador de renda. Com isso, a sociedade sustenta o déficit do regime próprio, cuja renda média de benefícios é muito superior à renda média do brasileiro. Nossa proposta extingue o RPPS.

A medida eliminaria abusos e permitiria a revisão dos chamados regimes especiais. Os servidores serão incorporados ao Regime Geral. Como a média do salário dos funcionários públicos é mais alta, suas contribuições destinadas às contas individuais, em regime de capitalização, seriam, no entanto, proporcionais ao salário, para manter seu nível de renda no futuro.

O objetivo é inverter a lógica que até o momento toma conta do debate sobre a reforma da Previdência. Apresentamos uma opção que mantém o caráter distributivo da Seguridade e, ao mesmo tempo, cria uma nova fonte de recursos para investimentos públicos, e esse modelo híbrido garantirá a sustentabilidade do sistema no longo prazo.

(*) Renato Casagrande – ex-governador do Espírito Santo e presidente da Fundação João Mangabeira. Artigo publicado no congressoemfoco.com


Postado às 05h22 Coluna Nenhum comentário Enviar por e-mail

Escolha errada castiga Mossoró

Dois nomes para Mossoró esquecer em 2018: Manoel da Cunha Neto, “Souza” (PHS), e Galeno Torquato (PSD). Ambos foram eleitos em 2014 com o apoio generoso – e decisivo – do eleitor mossoroense. Pode ser dito, sem nenhum exagero, que a cidade deu a eles os mandatos na Assembleia Legislativa.

Até aqui, porém, os dois parlamentares não justificaram os votos recebidos. Nem de longe representam a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte. Por incapacidade ou simplesmente por desconhecer a importância de Mossoró e do seu povo.

A despeito de Galeno Torquato ter recebido um grande volume de votos, mas é Souza quem mais decepciona os mossoroenses, pela proximidade que ele tinha com a cidade e a sua atuação política com raiz na vizinha Areia Branca, onde foi vice-prefeito e prefeito.

Poderia e deveria enxergar Mossoró.

Souza dá de ombros. Quando aparece, poucas vezes que se diga, é para hipotecar apoio em situações já resolvidas ou em temas “batidos”, sem fazer nada de concreto. Grande decepção.

No caso de Galeno, a situação se atenua porque ele nunca teve, não tem e não terá parceria com Mossoró e o seu povo, simplesmente por não gostar da cidade. Os quase 13 mil votos que ele recebeu dos eleitores mossoroenses foram resultado da máquina azeitada da Prefeitura ofertada pelo então prefeito Silveira (PSD), numa negociação que só eles dois sabem os detalhes.

O voto teve peso de ouro.

É fato que quando o eleitor se rende ao poderio econômico, o político se livra do compromisso de representá-lo, pois o “pagamento” já foi feito em campanha. Inclusive, Galeno, quando questionado sobre a sua ausência em Mossoró, ele fala abertamente que não deve nada ao eleitor e que está quite com a cidade.

Na Assembleia Legislativa, nenhuma ação em prol de Mossoró. E quando passa pela Terra de Santa Luzia, cumpre apenas a missão de “papagaio de pirata” do governador Robinson Faria (PSD), como fez no último sábado, 18.

Pois bem…

O eleitor que reclama dos políticos, com razão, deve observar se o seu voto foi certo, se fez a melhor opção. É importante que se faça uma avaliação do último voto para presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual, afinal, daqui a pouco, você voltará às urnas para eleger os seus representantes no Poder Central, no Governo do Estado, no Senado e Câmara Federal e na Assembleia Legislativa.

Veja o que os seus escolhidos fizeram até aqui para o bem do país, do estado e do município. Dessa forma, é possível se livrar dos Souzas e dos Galenos da política.

Fique de olho.

 

Sem água

A adutora do Médio Oeste Arnóbio Abreu está quebrada há dias, deixando sem água os consumidores de Paraú, Triunfo Potiguar, Campo Grande, Janduís, Messias Targino e Patu. A Caern não tem previsão de conserto.

 

Vazamento

O presidente do TSE, Gilmar Mendes, determinou a abertura de investigação para apurar vazamento de delações da Odebrecht. Ele não gostou de a imprensa ter publicado detalhes devastadores contra a chapa Dilma-Temer.

 

R$ 1 bilhão para os Municípios

A Marcha a Brasília deste ano, diferentemente de anos anteriores quando os prefeitos foram apenas passear, promete retorno concreto aos Municípios.

É que o presidente Temer recepcionará os gestores com anúncio de liberação de R$ 1 bilhão para obras de pavimentação e saneamento.

Os recursos são oriundos do FGTS, previsto no Programa de Aceleração do Crescimento, criado pelo governo do PT, e que ganhará nova nomenclatura com o governo do PMDB. Os Municípios que tiverem capacidade de endividamento terão acesso à verba.

A Marcha a Brasília está programada para o mês de maio.

 

Pagamento das terceirizadas

A gestão da prefeita Rosalba Ciarlini já pagou 4 milhões de reais de débitos às empresas terceirizadas, herdado do governo passado.

O pagamento foi possível porque os processos estavam liquidados. Foram atendidas a Art Service, Prime, Garden, Master e Imperial.

Os demais contratos estão em fase final de análise por uma comissão que foi formada com esse objetivo. Os trabalhadores sofrem com atraso.

 

É um gozador

O ex-presidente Lula (PT), atolado até a medula na roubalheira da Petrobras e de outros cofres do país, curtiu com a cara do brasileiro ao reafirmar a sua condição de “alma mais honesta do Brasil”, emendando que nem o juiz Sérgio Moro é mais honesto do que ele.

Além de gozador, agrediu o povo honesto deste país.

 

Segue

Daqui a pouco, Dilma fará o mesmo, além de Aécio Neves, Michel Temer, Renan Calheiros, José Sarney e outros da infindável lista de políticos desonestos. Fosse num país sério…

Foto esclarecedora

Veja como o avião fica bem próximo das residências em aterrissagem no aeroporto Dix-huit Rosado em Mossoró. A foto de um curioso, enviado à coluna, é bem esclarecedora. Não tem como a Anac aprovar.

 

Assédio

A Globo prepara uma série sobre Roger Abdelmassih, o médico condenado a 180 anos de prisão por estuprar dezenas de pacientes. Será escrita por Maria Camargo e se chamará “Assédio”. Vai ao ar em 2018.

 

Brisanet chega com força

A Brisanet está fazendo investimento milionário para se consolidar no mercado local de internet, telefonia e TV a cabo. Implantou avançada tecnologia de fibra ótica, cobrindo quase 100% de Mossoró, e oferecendo internet de qualidade.

Também já está com estrutura pronta para instalar a TV a cabo com a tecnologia 4K, o que deverá ocorrer até o próximo ano.

 

É NOTÍCIA

1- A Escola de Artes de Mossoró completa cinco anos nesta segunda-feira, 27, prestando serviço relevante à cultura local. Foi criada e inaugurada pela gestão da prefeita Fafá Rosado.

2- Hoje, tem a 2.ª eliminatória do concurso “A Mais Bela Voz Kids”, no finalzinho da tarde, na praça de alimentação do Partage Shopping. A realização é da Rádio Rural de Mossoró (990 kHz). Confira.

3- Hoje, tem rodada dupla com cobertura da equipe de esportes da 93 FM: Potiguar x América, no Nogueirão; e Assu x Baraúnas, no Edgarzão. A jornada esportiva começa às 16h. Sintonize.

4- O Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN) apresenta hoje o balanço da “Ação e Cidadania”, que realizou entre os dias 13 e 25 na Alcaçuz. Às 10h, no auditório da Governadoria.

5- O governador Robinson Faria (PSD) inaugura nesta segunda-feira, 27, a Central de Comercialização da Agricultura Familiar e Economia Solidária. Sonho antigo dos produtores familiares.

 

FRASE

“Ele diz que não é. Eu acredito nele.”

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO – Sobre João Dória, prefeito de SP, à presidência do Brasil.


Postado às 05h00 Túnel do Tempo Nenhum comentário Enviar por e-mail

De 1827 – Morre Ludwig van Beethoven, compositor alemão. A sua produção continuou, apesar da surdez que começou a surgir aos 32 anos.

De 1903 – Oswaldo Cruz assume a direção da Saúde Pública do Rio de Janeiro.

De 1936 – Nascimento do boxeador brasileiro Éder Jofre, campeão mundial.

De 1997 – Suicídio coletivo na seita “Porta do Paraíso”, na Califórnia, Estados Unidos.


Postado às 03h10 Artigo Nenhum comentário Enviar por e-mail

(*) Jorge Maranhão

Mais uma bela iniciativa de meu amigo Sylvio Costa, do Congresso em Foco, que me pede à distância uma tese de reflexão sobre uma proposta de enfrentamento da crise política e da corrupção sistêmica do país. Pois vai lá.

Penso numa estratégia de argumentação que congregue os cidadãos atuantes numa pauta de reforma política que exclua de uma vez por todas a dominação da vida pública pelas quadrilhas de políticos profissionais. Pois não vejo outra alternativa a não ser a criação de um novo imaginário social para a cultura de cidadania política.

A política tem de ser resgatada como a mais nobre das atividades humanas pelas elites do país. Não há mais espaço para o cinismo e o corporativismo da “farinha pouca, meu pirão primeiro”. Precisamos, isto sim, de “o que você pode ceder de sua corporação para ter moral de exigir que as demais cedam?”.

Pichação em protesto contra políticos brasileiros no Setor Sudoeste, em Brasília

Não se tem notícia de criação de um novo imaginário social para a política de uma nação sem a ação e argumentação estratégica de suas elites. E essa estratégia tem de ser construída obrigatoriamente no espaço público da mídia por que estamos no século 21. Seja na mídia profissional, na grande mídia, através da atuação voluntária de alguns de nossos jornalistas mais responsáveis e independentes (não ouso citar nomes); seja pela iniciativa de projetos de internet, canais bem focados como o Congresso em Foco e alguns dos muitos canais recentemente surgidos com independência de publicidade estatal.

Mas o discurso tem de ser obrigatoriamente inclusivo, consensual e amplo para as grandes questões de afirmação de nossa cidadania política, independente de partidos, doutrinas e preconceitos ideológicos, pois todos concordamos que o mais urgente é que a política seja ocupada pelos cidadãos de bem, interessados em resgatar a ação política como bem comum, interesse público, moralidade pública, para além de legalidade apenas.

Por isso, o nosso instituto é de cultura política e vem propondo há anos o programa de Agentes de Cidadania, aqueles que, independentes de governos e ambições eleitorais, têm propostas positivas de políticas públicas em quaisquer campos de suas atividades, livres de quaisquer corporativismos ou interesses setoriais, por mais justos que sejam.

Temos de refundar a res pública com base no princípio de que só interessa a política que possa interessar a todos. Para tanto, temos de exercitar uma profunda reflexão sobre valores morais que devem ser resgatados também da lavagem cerebral de que fomos vítimas pela demagogia dos governantes pós-abertura.

Temos de lipoaspirar uma dita Constituição “cidadã” que nos iludiu de direitos sociais ilimitados contra a prestação de nenhum dever cívico em troca. Sem juntar esse amplo espectro de nossas elites e realinhá-las como Agentes de Cidadania, com a responsabilidade de reconstruir a vida pública do país, continuaremos patinando no berço esplêndido do futuro promissor que nunca chega.

Parabéns, Sylvio, por você ser um desses Agentes de Cidadania empenhados em resgatar desse Congresso Nacional os verdadeiros estadistas que pensam nas próximas gerações e não apenas nas próximas eleições!

(*) Jorge Maranhão é mestre em Filosofia pela UFRJ e dirige o Instituto de Cultura de Cidadania A Voz do Cidadão, além de escrever uma coluna semanal para o portal da revista Época. E-mail: jorge@avozdocidadao.com.br.


Postado às 03h08 Artigo Nenhum comentário Enviar por e-mail

(*) José de Paiva Netto

A Prece não é o refúgio dos covardes nem dos ociosos. Ela nos eleva, o trabalho nos realiza. O Papa reza, o Dalai-Lama medita, Chico Xavier (1910-2002) orava, os rabinos entoam suas súplicas, os evangélicos cantam seus louvores a Deus, os islâmicos recitam o Corão Sagrado…

O que é a Prece senão o Amor que se dispõe para grandes feitos? Um irmão ateu, quando medita e pratica um ato que beneficia a coletividade, está orando. Em Crônicas e Entrevistas, escrevi que orar e meditar se assemelham. Rezar não é uma ação simplesmente figurativa. É o mais forte instrumental que a essência humana, o Capital Divino, possui.

O monge alemão Tomás de Kempis (aprox. 1380-1471) grafou, em Imitação de Cristo: “Sublime é a arte de conversar com Deus”.

 Para evitar o vômito das nações

Nestes tempos de mundialização, em que muitas fronteiras caem preferentemente sobre as cabeças das populações mais pobres, o povo procura um rumo seguro para a existência, regida por forças discrepantes. Nem sempre é o melhor de todos o destino que lhe oferecem. E a História se repete no somatório de enganos que podem desembocar num movimento incontrolável de massas. As nações também vomitam.

Buscam, então, alento para suas dores na violência ou no Invisível. No entanto, como diversos se acostumaram a uma visão restritiva do Poder Espiritual, muita vez erguem sua prece a um deus antropomórfico, que não lhes responde, pois nem existe. E aí se frustram.

Creio que até Karl Marx (1818-1883) proferiria a oração, como poderosa ferramenta psíquica para o fortalecimento da mente e fator de estabilidade ante os dramas pessoais e familiares, que todos enfrentamos. Apesar da convicção de alguns, o criador do marxismo também era ser humano, a seu modo preocupado com os problemas sociais. Certamente, o polêmico autor de O Capital meditava acerca de seus ideais. Sabendo ou não, de certa forma orava.

(*) José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor