Postado às 17h28 segurança Nenhum comentário Enviar por e-mail
Por Ivenio Hermes

Faltando apenas 6 dias para o final do mês de abril, o homicímetro no Rio Grande do Norte em 2014 já ultrapassa preocupantemente a marca de 2013.

RN CVLI 24MAR2014

Em 30 de abril de 2013 o Estado do Rio Grande do Norte atingiu o número de 536 crimes violentos letais intencionais. Neste ano da graça de 2014, no dia 23 de abril, chegamos a essa contagem quando Leandro Alberto da Silva caiu morto após ter sido executado por tiros de arma de fogo no bairro da Redinha, em Natal.

Leandro Alberto da Silva é a 187ª vítima de homicídio somente em Natal, uma das mais belas capitais do Brasil, que vem sendo manchada pelo sangue de inocentes, pois todos são inocentes até se prove, mediante a lei, o contrário.

A ausência do Estado promove a violência num povo historicamente pacífico, e como diz a professora, blogueira e ativista de direitos sociais, Kezia Lopes, “Não está fácil, não é brincadeira, não estamos brincando de filme de terror, precisamos de medidas urgentes e já. Não de fantasias imaginárias tiradas do pirlimpimpim do Sitio do Pica Pau Amarelo”.

Todos percebem a ineficácia do que tem sido feito no setor de segurança pública, em que pese todas as promessas não cumpridas e pelas quais a Administração de Rosalba Ciarlini não deu a menor satisfação ao povo que a elegeu, pelo contrário, em troca, foram recebidas propagandas falaciosas que somente tiveram a capacidade de transportar quem nelas acreditou para um mundo de ilusões.

A ilusão de segurança não foi capaz de impedir que Darlan Bezerra de Lima, de 15 anos, se tornasse a 45ª vítima de homicídio em Parnamirim, nem Dgiulle Cunha de Lima, de 24 anos de idade, de ser ao mesmo tempo, a 21ª vítima de homicídio em Macaíba e a 324ª da região metropolitana de Natal.

Em Mossoró Jorge Paulo do Nascimento é o nome da 57ª vítima de homicídio, e Arni Praxedes de Melo, a 4ª vítima de Patu e a 133ª do Oeste Potiguar, por pouco não cedendo seu lugar nas estatísticas para o Soldado O. Filho, que foi baleado juntamente com o Sr. Arni na tentativa de assalto à agência dos Correios, na data de ontem, 23/4/2014, em Patu/RN. Ambos foram vítimas, tanto de bandidos com armamento e número superior, quanto de governos que deixaram a situação chegar a esse ponto.

O jovem Ivo Rodrigo Ferreira da Silva foi a 150ª vítima menor de 21 anos de idade, nessa mortandade de jovens. Seu nome foi associado a crimes e talvez por isso ou pela absoluta falta de condições de investigar, sua morte nunca venha a ter a autoria definida.

O senhor Elias Belarmino de Souza, 42 anos de idade, não terá seu nome entre as vítimas de crimes violentos letais intencionais no Rio Grande do Norte, pois sua morte durante uma tentativa de assalto na Av. Alberto Maranhão, Barrocas, Mossoró, foi causada por infarto, um mal súbito, que por tanto não recebe a característica de “intencional”, sendo sua morte apenas uma concausas no concurso de pessoas para o estabelecimento da causa do crime. O Sr. Elias faleceu, pois sua condição de saúde o deixou à mercê do medo causado pela ausência do Estado em lhe fornecer a segurança que ele merecia.

Chegamos à marca de 540 crimes violentos letais intencionais, e sabe-se lá quantos mais terão suas vidas ceifadas pela falta de políticas públicas de segurança.

Talvez se fosse bela a fantasia criada pelas falsas políticas de interiorização da Polícia Civil e pelo engodo da criação de Batalhões originados pela divisão de outros, bastasse o Doutor Caramujo, médico do Reino das Águas Claras com suas pílulas que curam qualquer doença, para socorrer os potiguares da doença da desgovernança, do descaso que sofrem e de terem seus nomes perdidos no meio das estatísticas, pois se isso ocorre é porque foram antes esquecidos pelos governantes desrespeitosos com seu pacto com a sociedade.

Infelizmente, não vivemos num mundo de fantasia e nem o pó de pirlimpimpim, belíssima criação de Monteiro Lobato, é capaz de nos transportar para uma terra segura de fantasia, pois não é isso que queremos, o povo norte-rio-grandense quer é segurança para viver feliz aqui mesmo, no Rio Grande do Norte.

____________________

SOBRE O AUTOR:

Ivenio Hermes é escritor Especialista em Políticas e Gestão em Segurança Pública e Ganhador de prêmio literário Tancredo Neves, ativista de direitos humanos e sociais e pesquisador nas áreas de Criminologia, Direitos Humanos, Direito e Ensino Policial.

____________________

DIREITOS AUTORAIS E REGRAS PARA REFERÊNCIAS:

É autorizada a reprodução do texto e das informações em todo ou em parte desde que respeitado o devido crédito ao(s) autor(es).

HERMES, Ivenio. Nomes Esquecidos no Meio das Estatísticas. Disponível em: < http://j.mp/1rqdcLc >. Publicado em: 24 abr. 2014.

No Banner to display


Postado às 09h10 Justiçasaudesegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail

Na manhã desta quinta-feira, 24, na Avenida Lauro Maia, em Patu, uma quadrilha tentou assaltar a Agência do Correios e terminou baleado no pescoço o gerente Arnir Praxedes de Lima, de 53 anos, (morreu a caminho de Mossoró) e baleando o Policial Militar Filho. Os assaltantes fugiram.

Os primeiros relatos apontam que o gerente da agência Arnir estava iniciando os trabalhos, quando os assaltantes chegaram anunciando o assalto. A guarnição da PM estava no local por acaso, para um policial fazer uma transação bancária.

Foi quando começou a troca de tiros, tendo o gerente sido morto com tiro na cabeça e o policial baleado. Filho e Arnir receberam os primeiros cuidados ainda em Patu e estão sendo transferido para o Hospital Regional Tarcísio Maia, em Mossoró. Arnir morreu antes de receber socorro no HRTM, em Mossoró.

Noite violenta em Mossoró

Em Mossoró, o dia de quarta-feira, 23, foi marcado com três assassinatos e seis baleadas, entre elas o policial Diego Severino Alves, de 32 anos, que perdeu o baço. Se encontra neste momento no Centro Cirúrgico do Hospital Regional Tarcísio Maia.

Jandui Nascimento Borges, de 40 anos, foi executado a tiros perto do Supermercado Rebouças, da Rua João Cordeiro, no bairro Santo Antônio, no final da manhã desta quarta-feira, 23, em Mossoró.

Francisco Alexandre Dantas da Silva, de 26 anos, foi alvejado na região do ombro com um disparo de arma de fogo, na Rua Aoem Menescal. Ele foi socorrido pela equipe do Samu para o Hospital Regional Tarcísio Maia.

Jorge Paulo do Nascimento, de 28 anos, foi alvejado na praça do conjunto Freitas Nobre no bairro Barrocas. Ele chegou a ser socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento do Santo Antônio onde já chegou morto.

*Elias Belarmino de Souza, de 42 anos, morreu durante uma tentativa de assalto. O fato aconteceu dentro de uma vila, na Avenida Alberto Maranhão no bairro Barrocas. Segundo informações dois indivíduos armados tentaram tomar sua motocicleta. Durante o assalto a vitima sofreu um mal súbito, recebeu socorro medico, mas já chegou morto na Unidade de Pronto Atendimento do bairro Santo Antônio.

Silvestre Estalone de Oliveira Rocha, de 27 anos, foi baleado no braço esquerdo durante uma briga envolvendo gangues de jovens da Favela do Pirrichil e do Papoco. A ação criminosa aconteceu na Rua Delmiro Rocha, no Alto de São Manoel no inicio da noite de hoje. Estalone já havia sofrido uma tentativa de homicídio no final do ano passado. Ele foi socorrido para o Hospital Regional Tarcísio Maia e não corre riscos de morrer.

Ana Alice Miranda de Souza, de 42 anos, foi alvejada na região abdominal, com um disparo de arma de fogo. Segundo informações ela foi vitima de uma bala perdida. Alice foi socorrida pela equipe do Samu para o Tarcísio Maia e seu estado de saúde requer cuidados.

*Natanael Alves de Oliveira, de 23 anos, foi alvejado com um disparo no braço. Segundo informações o mesmo foi atingido por bala perdida. Ele foi socorrido por populares para o Tarcísio Maia e passa bem.

* Edigledson de Andrade, de 27 anos, morador do bairro Teimosos foi socorrido por populares para a Unidade de Pronto Atendimento do Alto de São Manoel e transferido para o Tarcísio Maia.

Diego Severino Alves, de 32 anos (PM) estava com outros dois colegas policiais conversando num bar no Bairro Alto São Manoel, quando os assaltantes chegaram anunciando o assalto. Um policial tentou reação e os assaltantes abriram fogo. Diego levou cinco tiros. No hospital, passou por uma cirurgia (laparotomia exploradora) para retirar o baço destruído pelos tiros.

No Banner to display


Postado às 16h46 Justiçasegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) ofereceu denúncia à Justiça contra o ex-diretor do Presídio João Chaves pela prática de corrupção passiva. Na ação penal, impetrada pela 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Parnamirim nesta quarta-feira (23), o MPRN pede que a Justiça condene Rondinelle Victor dos Santos.

No dia 12 de abril passado, o acusado foi autuado em flagrante, na 1ª Delegacia de Plantão da Zona Sul de Natal, por ter solicitado o trabalho de três apenados do Presídio João Chaves na obra de sua própria residência. Os detentos teriam executado o serviço entre o início da manhã e até o final da tarde, quando foram surpreendidos com a chegada de força policial enviada para averiguar denúncia.

A conduta, de acordo com o MPRN, configura vantagem indevida e está tipificada no Código Penal Brasileiro (CPB), no artigo 337, caput – solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem. A pena estipulada para o ato ilegal é reclusão de dois a 12 anos e multa.

Os três apenados, em audiência ministerial, contaram que no último dia 12, Rondinelle Victor dos Santos transportou os detentos da penitenciária até a sua residência, localizada em Parnamirim. No local, o ex-diretor colocou os apenados para executarem serviços de construção.

Dois dos detentos, inclusive, relataram que já haviam sido solicitados para serviços da mesma natureza, na casa do ex-diretor da penitenciária, por pelo menos duas vezes. Ainda em depoimento ao Ministério Público, os apenados disseram acreditar que o serviço contaria para a remição de pena.

Confira aqui a íntegra da denúncia.

No Banner to display


Postado às 16h11 Políticasegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail
As representações dos promotores e juízes do Rio Grande do Norte envia notas a imprensa em apoio aos juízes eleitorais Ana Clarissa Arruda Pereira e José Herval Sampaio Junior, da Justiça Eleitoral de Mossoró.
Os dois vem sendo vítima com muita frequencia de ataques covardes nas redes sociais. Na nota do MP, diz que os “correligionários” políticos utilizam palavras de baixo calão para ofender a honra dos magistrados.
Na nota dos magistrados está destacado que José Herval e Ana Clarissa são juízes “sérios e dedicados, bem como de qualquer magistrado que, fiel a missão imposta, atue em prol da lisura do processo eleitoral”.
Segue-as na integra!
NOTA
O Ministério Público Eleitoral e os Promotores de Justiça ao final indicados vêm a público repudiar o acirramento dos ânimos em redes sociais com referência aos Magistrados José Herval Sampaio Júnior e Ana Clarisse Arruda Pereira.
Entendem os subscritores que a liberdade de pensamento e a divergência de opiniões são essenciais e inerentes ao Regime Democrático. Entretanto, utilizar-se de palavras de baixo linguajar para ofender a honra de autoridade constituída que, em prol da sociedade, está no desempenho de elevada missão constitucional representa conduta intolerante, inaceitável e repugnante, não condizente com uma desejável sociedade de paz, respeito e harmonia.
Fábio de Weimar Thé (33º Zona); Olegário Gurgel Ferreira Gomes (34ª Zona); Paulo Carvalho Ribeiro (49ª Zona); Gláucio Pinto Garcia (23ª Zona); Sidharta John Batista da Silva (41ª Zona); André Nilton R. de Oliveira (64ª Zona); Mac Lennon Lira dos Santos Leite (40ª Zona); Diogo Maia Cantídio (26ª Zona), Daniel Lobo Olímpio (29ª Zona); Rafael Silva Paes Pires Galvão (36ª Zona); Baltazar Patrício Marinho de Figueiredo (55ª Zona); Fausto Faustino de França Junior (27ª Zona); Silvio Brito (35ª Zona); Ana Araújo Ximenes Teixeira (Promotora de Justiça); Rodrigo Pessoa de Morais (Promotor de Justiça); Guglielmo Marconi Soares de Castro (Promotor de Justiça); Daniel Robson Linhares de Lima (Promotor de Justiça).
MOÇÃO DA APOIO 
A AMARN- Associação dos Magistrados do Rio Grande do Norte, entidade que congrega os juízes e desembargadores deste estado, por sua presidente, e os juízes de direito da comarca de Mossoró, adiante nominados, tendo em vista a proximidade das eleições suplementares e o nítido acirramento de ânimos, vem apresentar irrestrito apoio aos juízes eleitorais responsáveis pela administração do processo eleitoral no município, juízes HERVAL SAMPAIO E ANA CLARISSE ARRUDA, magistrados sérios e dedicados, bem como de qualquer magistrado que, fiel a missão imposta, atue em prol da lisura do processo eleitoral. 
Os magistrados da comarca informam aos mossoroenses que apoiam os trabalhos desenvolvidos pelos juízes eleitorais. Insatisfações relacionadas a decisões judiciais são normais em um ambiente democrático, mas eventuais ofensas às autoridades judiciárias representam risco e atentado à própria essência do Estado Democrático de Direito, em nada contribuindo para o avanço da cidadania. 
As eleições devem representar festa democrática em respeito à soberania popular, mas é obrigação da Justiça Eleitoral cumprir a lei, a exemplo da lei da ficha limpa e da lei da compra de voto, incumbindo aos magistrados, no livre convencimento motivado, aplicar a medidas adequadas a cada caso. 
Nesta reta final da campanha municipal, os membros do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte exortam os candidatos, detentores de mandato eletivo, representantes partidários e assessores jurídicos para que exerçam o papel de orientadores das suas bases políticas, para que atuem com respeito à lei, à Justiça Eleitoral e aos seus integrantes. 
Mossoró, 22 de abril de 2014. 
AMARN- ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO RIO GRANDE DO NORTE 
JUÍZES: CORNÉLIO ALVES; BRENO VALÉRIO; EDINO JALES; RENATO MAGALHÃES; VAGNUS KELLY FIGUEIREDO; WELMA MENESES; PATRICIO LOBO; PAULO LUCIANO MAIA; ANNA ISABEL; UEFLA FERNANDES.

No Banner to display


Postado às 18h15 Justiçasegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail
Por Ivenio Hermes

No Sábado de Aleluia, dia 19 de abril de 2014, o Rio Grande do Norte chegou à marca dos 500 crimes violentos letais intencionais, mas as festividades religiosas não foram o suficiente para arrefecer o ímpeto da criminalidade, tornando esse feriado da Semana Santa, o mais violento do ano.

A Violência No Feriado Religioso

Continuando seu curso, a média homicida se manteve acima de 4 assassinatos por dia, mantendo uma linha de tendência que pode suplantar o número de assassinatos do ano de 2013.

SEMANA SANTA 2014 1

Os 23 crimes violentos letais intencionais que ocorreram no feriado da semana santa desse ano, se concentraram em 10 cidades, como mostra o infográfico acima. Não esquecendo que em menos de 48 horas após a divulgação do homicímetro contabilizando 500 cvli, mais 18 crimes letais aconteceram, numa média estarrecedora de 9 crimes em menos de dois dias.

O alarme dessa constatação é grande e ainda se acumula ao dado de que somente na capital do estado foram registrados 11 assassinatos, fazendo com que Natal some individualmente 48% do total.

As demais cidades, ainda bem, ficaram longe de alcançar essa marca, mas em Mossoró, Assu e Parnamirim aconteceram 2 homicídios cada, ou seja, 9% e somando entre elas mais 27% dos crimes letais do feriado prolongado. As cidades de Caraúbas, Touros, Nísia Floresta, Goianinha, Extremoz e Ielmo Marinho, tiveram 1 crime violento letal intencional cada, concluindo a contagem dos crimes deste feriado.

Num breve comparativo com mesmo período no ano de 2013, no qual ocorreram 12 assassinatos, constatamos um aumento de quase 100% em um curto período de tempo, apenas um ano.

SEMANA SANTA 2014 2

Na imagem acima, os crimes letais provocados pela violência homicida foram separados pelos respectivos dias em que ocorreram, onde se percebe que o clímax da violência foi justamente o sábado (18/04), quando houve homicídios em 7 das 10 cidades participantes do teatro criminal do feriado. Foram 10 assassinatos em um único dia, contabilizando 44% dos crimes ocorridos no feriado.

Foram 3 homicídios em Natal, 2 em Assu e 1 em cada uma das demais cidades restantes.

No mesmo ritmo continuou o fim de semana. No domingo ocorreram 8 assassinatos, e pasmem, 5 deles em Natal, culminando com a morte de uma menor, na segunda-feira dia 21 de abril, no bairro Dix-Sept Rosado, supostamente vítima da violência feminicida de seu namorado, crime que encerrou nossa contagem para esse artigo.

Antes de encerrar o feriadão, pois hoje ainda é feriado, comemorativo ao Dia de Tiradentes, ter saído de 495 (que era o número antes do início do feriado), e chagado à marca de 518 cvli, no maior feriado religioso nacional, nos leva a refletir sobre os freios morais, sociais, legais e outros que não estão mais funcionando no seio de nossa sociedade.

SEMANA SANTA 2014 3

Os algozes não foram tocados pelo significado do período e sentenciaram suas vítimas mesmo assim, numa contagem de 23 vidas ceifadas em 82 horas compreendidas entre a 0h de sexta-feira e às 10hs dessa segunda-feira.

Nos 10 assassinatos ocorridos no sábado dia 19, na capital do estado, Natal, destacamos o bairro Lagoa Azul, onde foram registradas 3 ocorrências, fazendo com que a taxa por cem habitantes chegue a 25,54, ultrapassando a média nacional de 25,3 cvli/100 mil hab. Ainda na Zona Norte da cidade, tivemos um crime em Potengi e 1 em Nossa Senhora da Apresentação, que chegam a 17,22 e 26,7 cvli/100 mil habitantes respectivamente, sendo o último também acima da média nacional.

Na Zona Sul, um crime ocorrido no bairro de Nova Descoberta.

Na Zona Leste, também um crime, ocorrido no bairro de Mãe Luíza, que é conhecido por seu elevado índice de violência que já atingiu 47,21 cvli/100 mil habitantes e sendo destacado em outros artigos. Finalmente, na Zona Oeste, tivemos ocorrência de crimes em três bairros, Dix-sept Rosado (segunda-feira pela manhã do dia 21/4), Nazaré e Cidade Nova, com 1 crime em cada.

Considerações Finais

Os crimes violentos letais intencionais reafirmam a característica migratória de suas ocorrências buscando este ou aquele local onde a presença do Estado não está bem estabelecida ou é indiferente. Destarte, as ocorrências se mostram pulverizadas em todas as regiões onde haveria uma presença mais significativa de ações de policiamento e combate ao crime, e também adotam comportamento semelhante no restante do Estado.

As probabilidades de aumento desse quadro são perceptíveis nos crimes contra a vida que não atingiram o intento letal, ou seja, as tentativas de homicídios, cujo número elevado de 19 não se consolidaram por acaso ou pela atuação das equipes de socorro médico. E a incidência de tentativas de homicídio tem sido destaque principalmente em Mossoró e Macaíba.

O feriado religioso foi ineficaz para deter a violência homicida e os criminosos não estão alheios à promessa de paralisação dos motoristas do transporte coletivo e de policiais e bombeiros militares para o dia 22 de abril. Após cinco dias sem trabalho, a sociedade potiguar aproxima-se de um dia que pode ser outra amostra do caos em que a segurança pública potiguar está inserida.

Resta ao cidadão rogar por um entendimento entre representantes do governo e das categorias afetadas, pois nesse momento a sociedade civil deseja que o curso das águas caudalosas do Rio Grande de Morte seja freado.

____________________

SOBRE O AUTOR:

Ivenio Hermes é Escritor Especialista em Políticas e Gestão em Segurança Pública e Ganhador de prêmio literário Tancredo Neves. Colaborador e Associado Pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Consultor de Segurança Pública da OAB/RN Mossoró. Integrante do Conselho Editorial e Colunista da Carta Potiguar. Pesquisador nas áreas de Criminologia, Direitos Humanos, Direito e Ensino Policial.

____________________

DIREITOS AUTORAIS E REGRAS PARA REFERÊNCIAS:

É autorizada a reprodução do texto e das informações em todo ou em parte desde que respeitado o devido crédito ao(s) autor(es).

HERMES, Ivenio. Águas Caudalosas do Rio Grande de Morte: A Violência na Semana Santa. Disponível em: < http://j.mp/1l1688y >. Publicado em: 21 abr. 2014.

No Banner to display


Postado às 17h54 segurança Nenhum comentário Enviar por e-mail
Por Ivenio Hermes

No Sábado de Aleluia, dia 19 de abril de 2014, o Rio Grande do Norte chegou à marca dos 500 crimes violentos letais intencionais, mas as festividades religiosas não foram o suficiente para arrefecer o ímpeto da criminalidade, tornando esse feriado da Semana Santa, o mais violento do ano.

A Violência No Feriado Religioso

Continuando seu curso, a média homicida se manteve acima de 4 assassinatos por dia, mantendo uma linha de tendência que pode suplantar o número de assassinatos do ano de 2013.

SEMANA SANTA 2014 1

Os 23 crimes violentos letais intencionais que ocorreram no feriado da semana santa desse ano, se concentraram em 10 cidades, como mostra o infográfico acima. Não esquecendo que em menos de 48 horas após a divulgação do homicímetro contabilizando 500 cvli, mais 18 crimes letais aconteceram, numa média estarrecedora de 9 crimes em menos de dois dias.

O alarme dessa constatação é grande e ainda se acumula ao dado de que somente na capital do estado foram registrados 11 assassinatos, fazendo com que Natal some individualmente 48% do total.

As demais cidades, ainda bem, ficaram longe de alcançar essa marca, mas em Mossoró, Assu e Parnamirim aconteceram 2 homicídios cada, ou seja, 9% e somando entre elas mais 27% dos crimes letais do feriado prolongado. As cidades de Caraúbas, Touros, Nísia Floresta, Goianinha, Extremoz e Ielmo Marinho, tiveram 1 crime violento letal intencional cada, concluindo a contagem dos crimes deste feriado.

Num breve comparativo com mesmo período no ano de 2013, no qual ocorreram 12 assassinatos, constatamos um aumento de quase 100% em um curto período de tempo, apenas um ano.

SEMANA SANTA 2014 2

Na imagem acima, os crimes letais provocados pela violência homicida foram separados pelos respectivos dias em que ocorreram, onde se percebe que o clímax da violência foi justamente o sábado (18/04), quando houve homicídios em 7 das 10 cidades participantes do teatro criminal do feriado. Foram 10 assassinatos em um único dia, contabilizando 44% dos crimes ocorridos no feriado.

Foram 3 homicídios em Natal, 2 em Assu e 1 em cada uma das demais cidades restantes.

No mesmo ritmo continuou o fim de semana. No domingo ocorreram 8 assassinatos, e pasmem, 5 deles em Natal, culminando com a morte de uma menor, na segunda-feira dia 21 de abril, no bairro Dix-Sept Rosado, supostamente vítima da violência feminicida de seu namorado, crime que encerrou nossa contagem para esse artigo.

Antes de encerrar o feriadão, pois hoje ainda é feriado, comemorativo ao Dia de Tiradentes, ter saído de 495 (que era o número antes do início do feriado), e chagado à marca de 518 cvli, no maior feriado religioso nacional, nos leva a refletir sobre os freios morais, sociais, legais e outros que não estão mais funcionando no seio de nossa sociedade.

SEMANA SANTA 2014 3

Os algozes não foram tocados pelo significado do período e sentenciaram suas vítimas mesmo assim, numa contagem de 23 vidas ceifadas em 82 horas compreendidas entre a 0h de sexta-feira e às 10hs dessa segunda-feira.

Nos 10 assassinatos ocorridos no sábado dia 19, na capital do estado, Natal, destacamos o bairro Lagoa Azul, onde foram registradas 3 ocorrências, fazendo com que a taxa por cem habitantes chegue a 25,54, ultrapassando a média nacional de 25,3 cvli/100 mil hab. Ainda na Zona Norte da cidade, tivemos um crime em Potengi e 1 em Nossa Senhora da Apresentação, que chegam a 17,22 e 26,7 cvli/100 mil habitantes respectivamente, sendo o último também acima da média nacional.

Na Zona Sul, um crime ocorrido no bairro de Nova Descoberta.

Na Zona Leste, também um crime, ocorrido no bairro de Mãe Luíza, que é conhecido por seu elevado índice de violência que já atingiu 47,21 cvli/100 mil habitantes e sendo destacado em outros artigos. Finalmente, na Zona Oeste, tivemos ocorrência de crimes em três bairros, Dix-sept Rosado (segunda-feira pela manhã do dia 21/4), Nazaré e Cidade Nova, com 1 crime em cada.

Considerações Finais

Os crimes violentos letais intencionais reafirmam a característica migratória de suas ocorrências buscando este ou aquele local onde a presença do Estado não está bem estabelecida ou é indiferente. Destarte, as ocorrências se mostram pulverizadas em todas as regiões onde haveria uma presença mais significativa de ações de policiamento e combate ao crime, e também adotam comportamento semelhante no restante do Estado.

As probabilidades de aumento desse quadro são perceptíveis nos crimes contra a vida que não atingiram o intento letal, ou seja, as tentativas de homicídios, cujo número elevado de 19 não se consolidaram por acaso ou pela atuação das equipes de socorro médico. E a incidência de tentativas de homicídio tem sido destaque principalmente em Mossoró e Macaíba.

O feriado religioso foi ineficaz para deter a violência homicida e os criminosos não estão alheios à promessa de paralisação dos motoristas do transporte coletivo e de policiais e bombeiros militares para o dia 22 de abril. Após cinco dias sem trabalho, a sociedade potiguar aproxima-se de um dia que pode ser outra amostra do caos em que a segurança pública potiguar está inserida.

Resta ao cidadão rogar por um entendimento entre representantes do governo e das categorias afetadas, pois nesse momento a sociedade civil deseja que o curso das águas caudalosas do Rio Grande de Morte seja freado.

____________________

SOBRE O AUTOR:

Ivenio Hermes é Escritor Especialista em Políticas e Gestão em Segurança Pública e Ganhador de prêmio literário Tancredo Neves. Colaborador e Associado Pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Consultor de Segurança Pública da OAB/RN Mossoró. Integrante do Conselho Editorial e Colunista da Carta Potiguar. Pesquisador nas áreas de Criminologia, Direitos Humanos, Direito e Ensino Policial.

____________________

DIREITOS AUTORAIS E REGRAS PARA REFERÊNCIAS:

É autorizada a reprodução do texto e das informações em todo ou em parte desde que respeitado o devido crédito ao(s) autor(es).

HERMES, Ivenio. Águas Caudalosas do Rio Grande de Morte: A Violência na Semana Santa. Disponível em: < http://j.mp/1l1688y >. Publicado em: 21 abr. 2014.

No Banner to display


Postado às 07h10 Justiçasegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail

Outra abordagem sobre a história mais contada de todos os tempos

Por Ivenio Hermes e Filipe Valentim

The Dove

Ressurreição anunciada

Havia um silêncio dentro de outro silêncio nos lábios e pensamentos

Sofriam os amigos daquele grande amigo que agora jazia no domínio da morte

Ou estaria apenas descansando como costumava fazer?

Alguns deles somente esperavam, outros somente sentiam,

Cada um lidava com a perda e a separação da forma que aprendera

O sábado estava se arrastando, horas mórbidas, descanso sem vontade

Mandamento e devoção… Necessidade

 

Questões apareciam sob forma de dúvida e sob a forma da esperança

Os anjos estariam a guarda-lo, se Deus era, de guarda precisaria?

Sim, pois sob a morte cruel que sofrera, precisava de descanso

Como a passagem do Deus que era Homem e que voltava a ser Deus

 

As mulheres não puderam se conter, dor, espera, ansiedade

Precisavam voltar ao sepulcro, na boa tradição da visita

Não para velar um morto que não precisa

Mas para acalentar a separação sofrida da morte que dor trazia

E uma esperança ressurgia

 

No fim do sábado

As duas Marias

Foram ao túmulo…

 

Onde Jesus jazia.

 

Um terremoto

Seguido de trovão

Do céu aquele chão…

 

Trouxe um anjo.

 

Claro como um raio

Em vestes alvas como a neve

Removeu a pedra do sepulcro

 

Deixando os guardas paralisados.

 

O anjo disse a elas:

Jesus ali não mais estava

Ele já havia ressuscitado

 

Como Ele tinha dito.

 

The Blanquet

Ressurreição confirmada

Com tudo que o amigo Jesus dissera se cumpria

O Sábado terminara e trazia, a esperança de uma nova era

Não era a paz que muitos desejavam, um rei que com a guerra apaziguasse

Mas um Rei-Mestre com ensinamentos de paz que a paz somente buscaria

 

Ele ressurgiu como prometeu, mas onde estaria?

Porque o vazio da morte agora de vida e vigor se preenchia

E lágrimas exultantes derramadas por elas ali e alhures

Anunciavam a felicidade da vitória sobre a dor da morte

 

Com euforia e alegria

Elas iam aos discípulos

Para avisar a sua vinda

 

E que na Galileia, Ele estaria.

 

Até que Ele surge

E saúda as Marias

Que em seus pés…

 

Elas o adoraram.

 

Os onze irmãos

Partiram à Galileia

Ao monte onde…

 

Jesus os esperava.

 

The Togetherness

Encontro de amigos no passado

Ao encontro! Agitavam-se os amigos do Mestre

Céticos, fervorosos, na esperança do reencontro, tímidos, ansiosos

Havia chegado o momento que tanto aguardavam?

Era um Reino novo que agora se estabeleceria?

 

Mas o plano da bênção àquele século não se resumia

Pois se até entre os que seguiram Jesus havia dúvida

Como se pudesse haver dúvida alguma nos feitos daquele ser

 

Que fez cegos enxergarem, paralíticos caminharem, mortos ressuscitarem…

Vinho de água se formar, água de conhecimento a sede eterna saciar…

De pequenos pães e mirrados peixes, uma multidão inteira alimentar…

 

Assim a necessidade de muitos em jogo estaria

Se naquele instante presente o amor se encerrasse

Era preciso mostrar, a outras gerações, à outros povos, à outros…

Que o amor não era secular

 

E quando o viram

Alguns o adoraram

Outros o duvidaram

 

E, Jesus a eles disse:

 

É a mim dado

Todo o poder

Na terra e no céu

 

Portanto, em todas as nações

Farei discípulos, batizando-os

Em nome do Pai, e do filho e do Espírito Santo

 

Ensinando-os a preservação

De tudo que eu vos mandei

E eis que estou convosco…

 

Até a consumação dos séculos.

 

Novo encontro futuro

E que nos resta daquele ensinamento?

O que preservamos daquele exemplo de amor vivo e ressurreto?

O Deus que se fez homem morreu, mas o Homem que era Deus ressurgiu

Ensinou com amor até os que dele duvidaram

Nenhuma mágoa guardam de que ao vilipêndio da dor o açoitaram

 

Ensinou uma lição eterna aos que preservam suas palavras

Ensinamentos infinitos de um Mestre Eterno

 

Voltou para aqueles amigos e voltará para os novos amigos

Que aprenderam de sua paz e de seu amor

Que sem acepção de pessoas ensinou a nova forma de viver

Não apenas um caminho a seguir, um modelo sob o qual viver

Mas um ensaio nessa vida da vida que iremos viver

Não somente por uma geração, por muitas sim, infindáveis, ele disse

Pelos séculos eternos da eternidade

 

_______________

SOBRE OS AUTORES:

Ivenio Hermes é Escritor Especialista em Políticas e Gestão em Segurança Pública e Ganhador de prêmio literário Tancredo Neves. Colaborador e Associado Pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Consultor de Segurança Pública da OAB/RN Mossoró. Pesquisador nas áreas de Criminologia, Direitos Humanos, Direito e Ensino Policial.

Filipe Valentim é um pensador, escritor e poeta contemporâneo, que compartilha sua rebeldia poética diariamente através de haicais, poemas, poesias e textos poéticos em sua Fanpage O Alquimista das Palavras onde o redescobrimento da essência humana é o mote criativo.

_______________

DIREITOS AUTORAIS E REGRAS PARA REFERÊNCIAS:

É autorizada a reprodução do texto e das informações em todo ou em parte desde que respeitado o devido crédito ao(s) autor(es).

HERMES, Ivenio; VALENTIM, Filipe. Ensinamentos Infinitos de um Mestre Eterno. Disponível em: <http://j.mp/1i2ZXsv>. Publicado em: 20 abr. 2014.

No Banner to display


Postado às 18h08 JustiçaPolíticasegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail

Outras representações de uma história já contada

Por Ivenio Hermes

Jez Feet

Subida Sentenciada

Ele caminha trôpego pelas ruas de uma cidade assombrada

Quem o via dizia da dor vã que ele sentia, porque de nada aquilo sentido tinha

E mesmo assim ele caminhava decidido

Fraco sim, afinal os açoites que recebera naquela tarde eram demais

Acima dos crimes comuns ele pagava pelos mais cruéis

 

Mas não desistia, o peso de sua humilhação nem o permitia levantar o rosto

Se é que ele queria contemplar a subida que ainda precisava vencer

 

Bem acima uma dor maior ainda o aguardava

Sob seus pés o terreno ia sendo consumido aos poucos

Resolvido a enfrentar a recompensa pelo crime dos outros

Humilhado, espancado, eleito para morrer trocado pela liberdade de um criminoso

Sujo, seminu, sangrando, falsamente coroado

 

Era incrível ver tamanha decisão, num ser tão ultrajado

Subindo em direção à sentença

Morte anunciada de um ser Deus

Subida sentenciada de quem nada fez por merecer

 

O Peso da Força

Muitos que aquilo presenciavam não entendiam o que acontecia

Um homem simples de ideias arrojadas que por elas era condenado

 

E tinha sede, não precisava dizer, quem naquelas condições não teria?

Mas não lhe ofereceram água, não lhe ofereceram nada

Até que tarde demais já fosse e ele mesmo, na insuportável sede pediu

Para em que em vez do líquido que a ninguém se nega, uma bebida ruim recebesse

 

Era tarde então, agora estava pregado no seu vetor de morte

Da crueldade insana humana que o obrigou a carregar o peso

Para depois ter seu peso nele fixado, no equilíbrio dolorido de um pé sobre o outro

E estes cravado na madeira

Sem poder usar as mãos, também pregadas, distantes do pedido de socorro

O sol começava a se por, e as forças físicas se esgotavam

Último olhar para cima, balbuciando algo para alguém que ali não estava em matéria

Sangue e suor nos olhos, uma cabeça pendeu, e sucumbiu

 

O Frio da Ida

Mortuus est… exaltaram alguns e lamentaram outros

Aquele que passou 33 anos fazendo o bem e ensinado o bom caminho

Estava morto sob o tratamento mais cruel que alguém poderia ter sofrido

Restava apenas um corpo sujo e ferido para sepultar

Até seus poucos pertences foram sorteados entre os algozes

 

Dizem até hoje da piedade de um homem que reclamou pra si o corpo sem vida

Das pessoas que o limpara e o ataviaram para o sepulcro

Seria isso o reconhecimento do sacrifício do mestre?

Apenas um corpo ou a representação material de um Deus?

 

Estava escuro quando foi colocado na tumba?

Não mais importava para quem estava no domínio desconhecido da morte

Havia lágrimas nos participantes do funeral

Seria elas pela dor da perda? Ou seriam pela esperança do reencontro?

Ou ainda, ambos os sentimentos dentro da angústia…

 

Dentro da tumba vazia, frio estava o corpo que morreu por mim

Recebeu a sentença que me era devida

Dores de um sacrifício que não fiz…

 

_______________

SOBRE O AUTOR:

Ivenio Hermes é Escritor Especialista em Políticas e Gestão em Segurança Pública e Ganhador de prêmio literário Tancredo Neves. Colaborador e Associado Pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Consultor de Segurança Pública da OAB/RN Mossoró. Pesquisador nas áreas de Criminologia, Direitos Humanos, Direito e Ensino Policial.

_______________

DIREITOS AUTORAIS E REGRAS PARA REFERÊNCIAS:

É autorizada a reprodução do texto e das informações em todo ou em parte desde que respeitado o devido crédito ao(s) autor(es).

HERMES, Ivenio. Dores de um sacrifício que não fiz. Disponível em: < http://j.mp/1i2ZXsv >. Publicado em: 18abr. 2014.

No Banner to display


Postado às 15h23 JustiçaPolíticasegurança Nenhum comentário Enviar por e-mail

O secretário de Segurança do Rio Grande do Norte, general de Exército Eliéser Girão Monteiro Filho, disse que a Delegacia de Homicídios de Mossoró não será fechada por falta de homens e estrutura.

Receberá novos policiais e será equipada com recursos do Programa Brasil Mais Seguro.

A declaração do secretário foi após a leitura do texto do amigo Ivênio Hermes citando a possibilidade de fechar Delegacia de Homicidios de Mossoró por falta de policiais e estrutura.

Ainda conforme o general secretário, os homens que saíram da Delegacia de Homicídios de Mossoró em função de transferência para outras cidades e em função dos três agentes que foram afastados esta semana, serão substituídos por outros.

A crise de pessoal e estrutura na Delegacia de Homicídios de Mossoró levou preocupação a Ordem dos Advogados do Brasil em Mossoró, através das Comissão de Segurança e Transporte e de Direitos Humanos.

Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, 15, o delegado Cleiton Pinho fez uma exposição dos casos de homicídios que abalaram a cidade nas últimas semanas e mostrou como estavam as investigações.

Destacou o caso do jovem estudante Alexsandro Mendonça, morto com um tiro na cabeça semana passada. Este disparo teria sido supostamente disparado por um agente civil, que estava em operação junto com outros dois.

O disparo havia acontecido na rua Pedro Velho, quando um veículo Astra com suspeitos dentro se aproximaram atirando e os policiais teriam revidado. Neste caso, o jovem Alexsandro Mendonça estava na linha de tiro e terminou morto. Os suspeitos fugiram.

No caso em questão, o delegado Cleiton Pinho disse que o agente civil já se apresentou e entregou a arma para perícia. O caso foi levado ao conhecimento do delegado, que designou três delegados para apurar o caso.

Entretanto, para que o caso seja investigado, os três agentes civis tiveram que ser afastados, reduzindo a equipe de trabalho na Delegacia de Homicídios de Mossoró à apenas 4 homens, já contando com o único delegado da unidade.

O presidente da OAB, Aldo Fernandes, destacou que além desta falta de estrutura e pessoal, a DP de Homicídios depende da estrutura do Instituto Técnico-científico de Policia (ITEP) para produzir bons inquéritos.

Ocorre que o ITEP enfrenta sérias dificuldades devido a falta de pessoal e principalmente estrutura. Diante do quadro, dos dois órgãos, a OAB/Mossoró informa que nasceu a preocupação para com a delegacia de homicídio.

No início da tarde desta quarta-feira, 16, o secretário de segurança Girão Monteiro, antes de embarcar para Brasília, disse que a delegacia receberá reforços e mostrou como vai repor os policiais convocando os aprovados no último concurso.

Neste caso, serão convocados 7 delegados, 13 escrivãs e 27 agentes civis, que serão destinados para trabalhar em várias delegacias do Estado e para a DP de Homicídios de Mossoró. Quanto aos demais, as nomeações vão acontecer gradativamente.

Equipamentos

Sobre a falta de equipamentos, o general Girão Monteiro disse que a Delegacia de Homicídios de Mossoró está incluída no Programa Brasil Mais Seguro para exatamente resolver esta questão. Será equipada com recursos federais.

No Banner to display


Postado às 09h11 segurança [ 1 ] comentário Enviar por e-mail
Por Ivenio Hermes

Nessa segunda e última parte das lições extraídas da Audiência Pública de propositura do Vereador Marcos Antonio, realizada na Câmara Municipal de Natal na manhã e boa parte da tarde do dia 15 de abril de 2014 e que foi denominada “A Crise na Segurança Pública”, recordaremos a pauta debatida e evidenciaremos pontos relevantes que foram tratados.

Outras Evidências Numéricas

Com a Delegacia de Homicídios de Mossoró prestes a fechar, um problema residual da falta de nomeação de novos policiais, porém acentuado pela morte de um estudante provocado por um disparo de um dos agentes daquela delegacia. Essa situação desencadeia o fechamento das portas de uma importante unidade, pois toda uma equipe foi afastada e não restarão policiais em número suficiente, resultado da falta planejamento e de pessoal, além de estrutura, aumentando o problema da violência homicida que se acentuará mais ainda naquela região.

Voltando à Natal, notemos que dos crimes violentos letais intencionais ocorridos em Natal, ainda aparecem 4 cujo local do crime não foi definido adequadamente, por isso não estão incluídos em nenhuma das zonas abaixo.

NATAL CVLI 15MAR2014 ZONAS E MENORESReferente às zonas da cidade do Natal, temos que a Norte detém 41% dos crimes violentos letais intencionais, sendo que 35% são de menores de 21 anos de idade e seu índice de homicídios por cem mil habitantes é de 21,71. A Sul e a Leste detém 12% cada uma, mas se diferenciam porque a Sul tem 15% de assassinatos de menores enquanto a Leste possui 30% de homicídios dessa faixa etária, e ainda, os índices por cem mil habitantes são 11,91 e 17,36 respectivamente.

Finalmente, a Zona Oeste, embora apresentando o mais elevado índice por cem mil habitantes das zonas da capital potiguar, que é 25,31, possui 21,42% de assassinatos de jovens menores de 21 anos de idade e 33% da concentração de ocorrências.

Diante do esforço direcionado pelas entidades de segurança no combate ao crime, vários pontos que receberam notório destaque, como a desmilitarização das polícias, o ciclo completo da atividade policial como atribuição de todos os órgãos policiais (resguardando as devidas competências), a retomada da aceleração da investigação criminal retirando os fatores que limitam a persecução penal, sempre lembrando que nenhum modelo é completamente adequado se ele não possuir o respaldo necessário para sua implementação.

Nesse pensamento de reavaliação do paradigma hodierno, é digno de nota colocarmos na balança das sustentações que a cidade do Natal tem apresentado índices de violência homicida pouco atraente àqueles que desejam investir ou passear, pois ninguém se sente seguro numa cidade que está sendo vitrine nacional pelo seus número de crimes violentos letais intencionais.

Realidade em Evolução

A falta de valorização pela qual os policiais civis e militares vêm sofrendo ao longo dos anos dificultou o diálogo com a Governadora Rosalba Ciarlini, cuja credibilidade junto aos representantes de classe está afetada principalmente após ela não ter cumprido o acordo firmado no fim da greve dos 65 dias da PCRN em 2013. A desconfiança entre os servidores policiais foi reiteradamente citada na audiência pública e percebe-se que o recrudescimento dos movimentos pró greve se acentua mais ainda diante de qualquer promessa da gestora executiva máxima do RN.

Destacamos que a valorização dos policiais passa pelo reconhecimento da sua importância pela sociedade e pelo Governo, pela remuneração justa pelo trabalho desempenhado, pela recompensa através da efetivação de planos de carreira com períodos e meios definidos para a ascensão funcional e pelo respaldo gestor, que é o fornecimento dos meios adequados para o desempenho das atividades de policiamento.

Não adianta tratar de redução da maioridade penal, pois isso só levará ao caos mais profundo no sistema penal que por sua vez também sofre com a ausência de políticas públicas, tanto que em 1º de maio termina o prazo de validade do último concurso para o provimento de cargos nesse setor e, sem crer que a Governadora Rosalba Ciarlini cumprirá o Termo de Ajustamento de Conduta sobre essa pauta, os concursados que concluíram o curso de formação ajuizaram mandado de segurança com antecipação de tutela em busca de garantir suas nomeações, conforme podemos ver na imagem abaixo.

AgPen Con Limi

Outra preocupação dos debatedores paira sobre a demora em nomear também os policiais civis, haja vista que já faz 21 dias que o Tribunal de Contas do Estado flexibilizou seu entendimento da Lei de Responsabilidade Fiscal no intuito de aumentar o efetivo policial com vistas a melhorar as condições de segurança da população.

Antes de qualquer diálogo, é preciso entender que o pretérito das ações da gestão de Rosalba Ciarlini continua a provocar desconfianças por parte da sociedade e dos operadores de segurança pública, algo que o atual Secretário de Segurança Eliéser Monteiro e sua equipe precisam analisar com critérios pacificadores. Retirar obstáculos reais que impeçam quaisquer chances de diálogo amistoso deve ser prioridade tanto de gestores quanto de operadores, pois o bem maior em questão é a vida, que deve ser preservada e protegida.

____________________

SOBRE O AUTOR:

Ivenio Hermes é Escritor Especialista em Políticas e Gestão em Segurança Pública e Ganhador de prêmio literário Tancredo Neves. Colaborador e Associado Pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Consultor de Segurança Pública da OAB/RN Mossoró. Integrante do Conselho Editorial e Colunista da Carta Potiguar. Pesquisador nas áreas de Criminologia, Direitos Humanos, Direito e Ensino Policial.

____________________

DIREITOS AUTORAIS E REGRAS PARA REFERÊNCIAS:

É autorizada a reprodução do texto e das informações em todo ou em parte desde que respeitado o devido crédito ao(s) autor(es).

HERMES, Ivenio. Lições da Audiência Pública “A Crise na Segurança Pública” (Parte 2 de 2). Disponível em: < http://j.mp/1l1d4Tb >. Publicado em: 16 abr. 2014.

No Banner to display