Postado às 02h13 Geral [ 14 ] Comentários Enviar por e-mail

Prefeito Bras Costa simulou ter investido R$ 26.995,00 nesta escola

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN) investigou de 7 a 8 de julho de 2011 como o prefeito Brás Costa, de Felipe Guerra, investiu R$ 2.232.807,18, em 2010, em escolas, postos de saúde, ruas e limpeza da cidade.

Os audito tores do TCE constataram pessoalmente que deste valor milionário o prefeito Brás Costa simulou o investimento de pelo menos R$ 1.332.095,33, contratando e pagando por serviços que não realizou em benefício da cidade.

Entre as obras pagas e não feitas os técnicos apontaram precisamente e inclusive com fotografias o Posto de Saúde e a Escola da localidade Mulungu. Foram R$ 52.479,00.

Só com os R$ 35.110,00 que Brás Costa pagou pela reforma do Posto de Saúde de Mulungu, dava para construir dois postos de saúde do mesmo tamanho na comunidade.

Quem recebeu este dinheiro para fazer esta reforma que não aconteceu, segundo Bras Costa disse ao TCE, foram: Luis Urbano da Silva, Wendell Carpeggiani dos Santos, José Duarte de Oliveira e Pedro Luiz de Góis e Silva.

No Mercado Público Municipal, que está ruínas, o prefeito Brás Costa simulou ter investido R$ 29.390,00. Quem recebeu este dinheiro foi: João Ferreira da Costa, Luis Urbano da Silva e Manoel Cândido da C. Neto.

Na localidade de Arapuá, os moradores disseram que o Posto de Saúde é horrível. Mas não deveria ser assim. No papel e no banco, consta que Brás Costa pagou R$ 34.600,00 a Fábio Sousa Pascoal, Luz Urbano da Silva e Paulo Victor de Góis e Silva para reformar o posto da comunidade.

Além destes contratos, o prefeito Brás Costa, conforme consta no relatório do TCE, simulou vários outros de valores maiores e menores, sempre usando nomes de pessoas da cidade, muitas delas se quer sabem o que estão sendo usadas para desvios de recursos públicos.

De todas as simulações, a que mais deixou os técnicos do TCE intrigados foi para fazer limpeza, manutenção e guardas dos prédios públicos. Para fazer estes serviços que nunca foi realizado, Brás Costa pagou R$ 799.988,40 a empresa Serlimp: Construções e Serviços de Limpeza Azevedo Ltda, que tem como sede o bairro da Estação em Patu.

Em Felipe Guerra, o prefeito Brás Costa existe uma certeza. É que não existe justiça e muito menos órgãos fiscalizadores que possa combater os desvios de recursos públicos. O prefeito já responde há diversos processos na Justiça e até hoje não teve nenhum transitado em julgado.

O MP sabe – Os vereadores Reginaldo Pascoal e Antoniel Maia, do PSD, e Salomão Gomes e Ubiraci Pascoal, do PR, disseram que já comunicaram estes desvios de recursos públicos e outros ainda mais absurdos ao Ministério Público Estadual, sendo que até agora tenha sido tomado qualquer providência.