Domingo, 24 de setembro de 2017

Postado às 15h30 | 12 Set 2017 | Imoralidade: Câmara de Assú cria 'auxílio alimentação' para vereadores

Crédito da foto: Reprodução/InterTV Presidente da Câmara de Assú, João Wallace, diz que Casa gastava o dinheiro com blogueiros da cidade

No momento em que o cidadão honesto, pagador de seus deveres, sente-se revoltado com a bandalheira que joga a vida pública deste País no esgoto, a Câmara Municipal de Assú decide piorar ainda mais as coisas, sem menor zelo com a sua imagem e a opinião pública.

De uma canetada cheia de tinta, a Câmara aprovou um “auxílio alimentação” de R$ 1.040/mês para cada vereador, isso, claro, além do salário de R$ 8 mil.

E o pior: a lei antipática, e absurda, foi sancionada pelo prefeito Gustavo Soares, que é filho do ex-prefeito Ronaldo e irmão do deputado estadual George Soares, acomodados no Partido Republicano (PR). O prefeito acha justo que os vereadores recebem o auxílio alimentação.

O presidente da Câmara, João Wallace da Silva, alega que os salários dos vereadores estão “achatados” porque não são reajustados desde 2013, sugerindo que o auxílio alimentação é uma forma de compensar.

Só que fica difícil justificar sob o ponto de vista moral, uma vez que a Câmara só tem duas sessões por semana e, a maioria, no sistema vapt-vupt, não exigindo muito tempo dos vereadores, logo, sem necessidade de auxílio alimentação. Além disso, a Casa tem cinco meses de recesso por ano.

O projeto da Mesa Diretora foi aprovado pelos 15 vereadores que formam a Casa. Além deles, os servidores de nível superior receberão R$ 351 de auxílio alimentação. Os de nível médio vão perceber aumento de R$ 157 e os demais, R$ 133,5.

O benefício para vereadores e servidores efetivos vai gerar um aumento de R$ 70 mil no gasto mensal da Casa.

Ouvido pelo portal de notícia G1-RN, o presidente da Câmara defendeu a legalidade do auxílio.

"O projeto é legal, assegurado pela Constituição Federal. A Assembleia Legislativa do RN e de outros estados já recebe, os deputados federais, senadores, o Judiciário recebe, empresa privada também paga. Isso não vai onerar em nada, nem vai mexer em recurso da saúde e da educação. É um recurso da Câmara, que é um órgão independente", considerou.

BLOGUEIROS

Silva ainda afirmou que houve um remanejamento de verbas. A Câmara cortou dinheiro gasto com telefones dos vereadores e com verbas que eram pagas a blogueiros da cidade. "Tinha uma prática de que blogueiros eram pagos pela Câmara. Cortamos isso", disse. Questionado sobre como acontecia esse pagamento, o vereador não explicou. "Recebiam de alguma forma".

Vereador pelo PROS, Stélio Márcio Leitão Júnior, declarou que o Legislativo pagava de R$ 4 mil a R$ 4,5 mil a blogueiros do município. Outros R$ 3 mil eram gastos com telefone dos parlamentares. "Esse dinheiro não ia pra população", argumentou.

"Eu desafio a população do Assu a apontar um vereador que está recebendo propina. Não acredito que a gente está cometendo um crime, uma ilegalidade, muito menos estamos sendo desumanos", declarou.

LEIA REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO IMPRESSA DO JORNAL DE FATO DESTA QUARTA-FEIRA (13)

Tags:

Câmara de Assú
auxílio alimentação
João Wallace
imoralidade
salários
vereadores

voltar

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO