Domingo, 19 de novembro de 2017

Postado às 12h30 | 13 Nov 2017 | Greve paralisa 70% da categoria em Mossoró, afirma Sindisaúde

Crédito da foto: Marcos Garcia/JORNAL DE FATO Servidores da saúde concentram primeiro dia de greve no pátio do Hospital Regional Tarcísio Maia

Começou na manhã desta segunda-feira (13) a greve dos servidores e médicos do Rio Grande do Norte. A paralisação, por tempo indeterminado, atinge as maiores unidades do Estado.

Em Mossoró, o Sindisaúde garante que a greve já tem adesão de 70% da categoria. A mobilização está concentrada no Hospital Regional Tarcísio Maia, a maior pronto-socorro do interior do Estado.

 “Nós estamos com adesão de 70%, ou seja, adesão total ao movimento, haja vista que, é necessário ter 30% dos servidores realizando os atendimentos no hospital”, diz o sindicalista João Morais, diretor-geral do Sindisaúde.

Adotamos uma escala de greve. Cada setor está realizando a triagem e trabalha com somente 30% da capacidade. Aqueles setores que tem um número de funcionários pequeno, a orientação é que trabalhem na operação tartaruga”, informou.

João Morais lembra que somente os casos de emergência serão atendidos na unidade hospitalar. “Nós estamos fazendo a triagem das pessoas que chegam ao hospital. Somente os casos de emergência serão atendidos. Serviço ambulatorial estamos orientando as pessoas a procurarem as Unidades de Pronto Atendimento em Mossoró”, esclarece.

O sindicalista informou ainda que os servidores do Homocentro, que fica ao lado do Tarcísio Maia também aderiram ao movimento e que novos protestos vão ocorrer nos próximos dias.

A decisão de iniciar uma greve por tempo indeterminado foi tomada em votação durante assembleia ocorrida no último dia 6 deste mês. Os servidores reclamam salários atrasados e o descumprimentos de acordos por parte do governo. A categoria recebe salários atrasados desde janeiro de 2016.

Tags:

Greve
saúde
servidores
salários
atraso
Sindisaúde
Mossoró
RN

voltar

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO