Domingo, 19 de novembro de 2017

Postado às 09h15 | 14 Nov 2017 | Coluna - 14 de novembro de 2017

Ainda vai piorar

O governador Robinson Faria (PSD) vive o pior momento de sua vida pública, pressionado por investigações do Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal e mergulhado em profunda crise de popularidade. Situação bem delicada, grave mesmo, sem uma luz que possa orientar melhor termo no futuro bem próximo.

A decisão do ministro Raul Araújo, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de autorizar novas investigações por supostos crimes de usura, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa é aterradora, porque reforça a tese de que o governador mergulhou no escândalo dos funcionários fantasmas da Assembleia Legislativa do RN, diante do farto material que justifica o novo inquérito.

No despacho assinado nesta sexta-feira, 13, o ministro do STJ diz que decidiu liberar a abertura do novo inquérito “devido aos indícios de novos crimes”, demonstrado no material apreendido pela Polícia Federal durante a Operação Anteros. Comprova, supostamente, o conteúdo da delação premiada da ex-procuradora da ALRN, Rita das Mercês Reinaldo, que “entregou” o governador em delação premiada.

Observe que esse novo inquérito deriva da Anteros, onde o governador já é investigado por obstrução de Justiça, entre outros crimes. Inclusive, há forte indício de que um novo pedido de afastamento do cargo, a ser apresentado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), terá decisão favorável do ministro-relator.

Associa-se aí outra investigação em curso, que envolve a JBS dos irmãos Batista. O governador foi acusado, em delação premiada do executivo Ricardo Saud, de ter recebido R$ 10 milhões para a campanha de 2014, em troca de oferecer à empresa os serviços de águas e esgotos do Estado. O caso alcança o deputado federal Fábio Faria (PSD), filho do governador, que teria se beneficiado da “propina”. Os dois negam. As investigações avançam.

Paralelamente, explodiu de vez a indignação dos servidores públicos com o atraso de salários. As greves dos trabalhadores e médicos da saúde estadual e dos professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) aumentaram o nível de desaprovação do governo.

Somam-se aí os índices críticos em setores vitais, com destaque pra lá de negativo da segurança pública, que seria a principal bandeira da gestão estadual.

O governador Robinson deve concentrar os seus esforços para se salvar no STF. Quanto ao governo, não tem saída.

 

FRASE

"Governador sempre pautou a sua via política pela correção. Ele está à disposição para prestar os esclarecimentos."

JOSÉ LUÍS OLIVEIRA LIMA – Advogado do governador Robinson Faria.

 

Pior a pior

 Para evitar a greve das forças de segurança, o Governo do Estado raspou o cofre para pagar os salários de setembro e outubro dos policiais militares da ativa. Por consequência, deixou de cumprir o compromisso dos demais servidores públicos que ganham até R$ 2 mil. Eles receberiam outubro na sexta-feira, 10. O dinheiro não caiu na conta. O governo corre para amenizar a situação hoje.

 

Grave

 O Hospital Walfredo Gurgel, maior pronto-socorro do RN, viveu momento tenso no final de semana. Com 27 pacientes na fila de espera por uma vaga de UTI, a direção recebeu ordem da Justiça para que internasse imediatamente um paciente em estado grave. Sem vaga, houve correria, até que encontraram um leito, certamente, mandando o ocupante para casa. E vai piorar.

 

Meu papai

 O empresário Felipe Müller decidiu bancar o desejo político-eleitoral da filha Priscila em 2018. A jovem será candidata a deputada com a camisa do Solidariedade. Contará com o bolso do pai, que foi prefeito do município de Caiçara do Rio dos Ventos.

 

Em campanha

 A senadora Fátima Bezerra discursou no seminário do PT, em Mossoró, como pré-candidata ao Governo do RN. E, bem ao seu estilo, desceu a lenha no atual governo, chamando de "ineficiente" e "incapaz" de sequer pagar salários em dia.

 

Oposição

 A chapa "Novo Crea, os profissionais querem, a sociedade precisa" será lançada hoje, às 18h30, no Garbos, em Mossoró. É encabeçada pelo engenheiro oestano José Augusto Rêgo. As eleições no Crea-RB acontecem no mês de dezembro.

 

Vai ouvir o povo

 O senador Cristóvam Buarque (PPS-DF) vai se licenciar por quatro meses, a partir de dezembro. Nesse período, andará o País para avaliar uma eventual candidatura à Presidência. Ele já disputou uma vez com a bandeira da Educação.

 

 É NOTÍCIA

1 - Começou a greve dos servidores e médicos estaduais. O Sindsaúde atesta que a paralisação atinge 70% da categoria. Eles pedem salários em dia e o cumprimento de acordos coletivos.

2 - Não há crime o ex-ministro Zé Dirceu se esbaldando na festa da mulher, em Brasília. É um direito dele, enquanto estiver em liberdade. Aliás, como Zé Dirceu, o país está cheio de condenados curtindo a vida, com o dinheiro roubado do povo. Isso é Brasil.

3 - O Grupo Strada apresenta hoje as novas concessionárias Doro Suzuki e Nikkei Mitsubishi, bem instaladas na Avenida Lauro Monte, saída para Fortaleza. Para convidados, às 19h30.

4 - O Bolsa Família terá aumento acima da inflação em 2018, anuncia o Governo Federal. Uma festa para as famílias dependentes do cartão. É a bondade que todos fazem em ano eleitoral.

5 - O gabarito oficial do Enem de 2017 será divulgado nesta quinta-feira, 16, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Fique atento.

 

Tags:

Robinson Faria
governador
RN
investigado
inquérito
STJ
Raul Araújo
ministro
crise

voltar

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO