Quarta-Feira, 15 de agosto de 2018

Postado às 10h15 | 15 Mai 2018 | Deputado do PP pode ser tornar o 1o condenado pelo STF na Lava Jato

Crédito da foto: Estadão Deputado Nelson Meurer (PP-PR) responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julgará nesta terça-feira (15) a primeira ação penal da Lava Jato da Casa.

O deputado Nelson Meurer (PP-PR), que responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, será o primeiro réu com foro privilegiado a ser julgado por envolvimento em fraudes na Petrobras.

Os primeiros processos decorrentes das investigações de corrupção na estatal chegaram ao STF há três anos.

Ao todo, 11 parlamentares são réus.

A decisão da Corte pode avançar pontos que embasam todas as investigações da operação — por exemplo, se um réu pode ser condenado por receber propina mesmo que tenha declarado o dinheiro como doação eleitoral e quais provas são necessárias para validar uma delação premiada, a ponto de justificar uma eventual condenação.

A Procuradoria Geral da República (PGR) acusa Meurer de ter recebido R$ 29,7 milhões em repasses de R$ 300 mil mensais, operacionalizados por Alberto Youssef, entre 2006 e 2014 — além de R$ 4 milhões em espécie para a campanha e outros R$ 500 mil na forma de doações eleitorais da construtora Queiroz Galvão.

Seus filhos, Junior e Cristiano Augusto Meurer, também são réus e teriam contribuído para receber e esconder a origem do dinheiro.

Segundo as investigações, Paulo Roberto Costa e a cúpula do PP receberam, no mesmo período, R$ 357,9 milhões em recursos desviados de contratos de empreiteiras com a Petrobras.

LEIA MAIS NO GLOBO

Tags:

Nelson Meurer
deputado
PP
STF
Lava Jato
corrupção
lavagem de dinheiro
operação

voltar

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO