Quarta-Feira, 21 de novembro de 2018

Postado às 10h00 | 11 Jul 2018 | Evangélicos se dividem entre Antônio Jácome e Albert Dickson

Crédito da foto: Cedida Alberto Dickson participou de evento político com Carlos Eduardo e Antônio Jácome em junho

No dia 26 de maio deste ano, a superlotação na Arena das Dunas, em Natal, chamou a atenção para o universo ocupado pela Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte. O evento marcava os 100 anos da congregação no estado, que nasceu como parte do processo de difusão do evangelho pentecostal pelo mundo.

O crescimento em número de fiéis impressiona. Estima-se que hoje, mais de 220 mil membros estão cadastrados no rol da Assembleia de Deus, que a consolida como maior denominação cristã evangélica no RN, estando presente em todos os 167 municípios potiguares. São mais de 1.600 templos, sendo 263 deles concentrados em Natal.

Não é só isso. A Assembleia de Deus se aproximou das camadas mais carentes através de projetos e obras sociais, como o Centro Integrado de Assistência Social que funciona na capital, com atendimento médico, odontológico, psicológico, nutricional e jurídico. Tem ainda o programa de capelanias carcerária e hospitalar, com visitas a presídios e hospitais, oferecendo suporte social a pessoas privadas de liberdades e suas famílias.

Com essa força e influência inquestionáveis, a igreja logo abrigou projetos políticos e, por consequência, atiçou a ambição de cargos eletivos de alguns dos seus membros. O deputado federal Antônio Jácome (Podemos), que se lançou pré-candidato ao Senado, é um dos nomes de proa e disputa os votos de simpatia dos evangélicos, com o deputado estadual Albert Dickson (Pros). Os dois vão marchar desunidos nas eleições deste ano, desafiando a Assembleia de Deus a conduzir orações para evitar que a “guerra eleitoral” atinja a solidez da maior denominação evangélica do estado.

Albert Dickson no evento que anunciou apoio ao governador Robinson Faria.

Houve tentativa de juntar Jácome e Dickson no mesmo projeto político-eleitoral. Jácome desistiu de renovar o mandato para enfrentar a disputa ao Senado e, por consequência, deixou o caminho livre para a esposa de Dickson, vereadora natalense Carla Dickson, ser a única candidata à Câmara do segmento evangélico. A contrapartida seria o apoio do Pros, de Dickson, a sua chapa majoritária, que tem como pré-candidato a governador o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo (PDT). Dickson chegou a participar de reunião com Jácome e Carlos Eduardo, mas surpreendeu ao anunciar que fará aliança com o governador Robinson Faria (PSD).

O anúncio feito na segunda-feira, 9, provocou reações imediatas. Jácome ameaça lançar pelo menos dois candidatos à Câmara para concorrer com Carla dentro do segmento. Como resposta, Dickson afirmou que se isso correr, ele colocará um nome da Assembleia de Deus na chapa de Robinson para disputar com Jácome os votos dos evangélicos.

O cabo-de-guerra entre Jácome e Dickson preocupa os líderes da Assembleia de Deus. Eles sabem que a igreja tem força unida e já demonstrou isso em disputas eleitorais recentes, e também são conscientes que se não houver unidade entre os seus membros, o risco de fracasso nas urnas é muito grande.

Por enquanto, Jácome e Dickson não acenam a bandeira da paz. Pelo contrário. Dão sinais de que partirão para o confronto. Cada um com seus interesses e objetivos individuais.

Tags:

Antônio Jácome
Albert Dickson
Pros
Podemos
evangélicos
eleições 2018

voltar

Capacite-se: Cursos Sebraeb

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO