Sexta-Feira, 14 de dezembro de 2018

Postado às 09h15 | 09 Out 2018 | Coluna César Santos - 9 de outubro

Crédito da foto: Carlos Costa Deputados Beto e Larissa Rosado não conseguiram renovar mandatos

LEITURA DAS URNAS

O grupo político-familiar Rosado saiu menor do que quando entrou na disputa eleitoral de 2018. O resultado das urnas reduziu a sua força eleitoral, com a não reeleição do deputado federal Beto (PP) e da deputada estadual Larissa Rosado (PSDB). Ambos apoiados pela prefeita Rosalba Ciarlini (PP), tida a vista como a maior eleitora de Mossoró.

É bem verdade que Beto e Larissa foram os mais votados na cidade. O federal recebeu 16.241 votos; a estadual, 17.753, suplantando seus adversários, mas a votação de outros colégios eleitorais não foi suficiente para renovar o mandato de ambos. Beto ficou na primeira suplência de sua coligação, enquanto Larissa termina na terceira suplência.

Em 2014, as urnas já haviam mandado recado duríssimo à tradicional família política. Naquela eleição, a ex-prefeita Fafá Rosado e a ex-deputada Sandra Rosado tentaram, sem sucesso, uma vaga na Câmara dos Deputados. Leonardo Nogueira, esposo de Fafá, e Larissa Rosado não conseguiram renovar o mandato na Assembleia Legislativa. Apenas Beto Rosado se elegeu deputado federal. Vale lembrar que as três alas Rosados estavam em palanques diferentes, eram adversárias, se salvando apenas a liderança de Rosalba com a eleição de Beto.

Larissa voltou à Assembleia Legislativa porque o deputado Álvaro Dias (MDB) renunciou ao mandato para ser vice-prefeito de Natal em 2016. Acredita-se que, a partir daí, o grupo reconquistaria a força eleitoral. Em 2016, o poderio aumentou com a eleição de Rosalba para o quarto mandato na Prefeitura de Mossoró e de Sandra Rosado para a Câmara de Vereadores.

Com os alicerces razoavelmente refeitos, os Rosados chegaram ao pleito de 2018 com o objetivo de preservar os mandatos de Beto e Larissa e ampliar a sua posição no cenário político estadual com a candidatura a vice-governador do RN de Kadu Ciarlini (PP), filho de Rosalba. As urnas ecoaram de forma diferente negando aos Rosados a manutenção dos dois mandatos. E ainda a chapa Carlos Eduardo/Kadu, embora tenha passado para o segundo turno, foi derrotada em Mossoró pela candidata Fátima Bezerra (PT).

O desempenho sofrível, no entanto, ganhou uma oportunidade. O grupo Rosado tem o segundo turno para tentar mudar o panorama. Uma vitória da chapa Carlos Eduardo/Kadu devolve, em parte, o poderio político-eleitoral de Rosalba. Do contrário, o grupo terá que se refazer para enfrentar a batalha municipal de 2020. A sorte está lançada.

 

FRASE

"De cabeça erguida, seguimos em frente. Não desistirei de lutar por um Rio Grande do Norte melhor."

BETO ROSADO – Deputado federal, após as urnas lhe negar novo mandato.

 

DESPEDIDA

 Foi melancólica a votação do senador José Agripino (DEM) para deputado federal. Ele obteve 64.678 votos (4,02%) no estado, ficando na segunda suplência da coligação "100% RN". Em Mossoró, sua terra natal, Agripino foi o décimo colocado, com apenas 2.435 votos. Uma despedida triste para o político que governou o RN por duas vezes e cumpre o quarto mandato de senador.

 

DESPEDIDA II

 O senador Garibaldi Filho (MDB) não conseguiu o voto dos potiguares para encerrar a carreira política com vitória. Ele queria o último mandato, para somar ao seu currículo que tem quatro mandatos de deputado estadual, dois de governador, três de senador e presidente do Congresso. Na última disputa foi apenas o quarto colocado, com menos de 13% dos votos.

 

ACERTOU

 A pesquisa Ibope/InterTV Cabugi, divulgada na véspera das eleições, foi em cima na disputa para o Governo do RN. Cravou 45% para Fátima Bezerra (PT), deu 46,17%; apontou 32% para Carlos Eduardo (PDT), deu 32,45%. E antecipou o segundo turno no estado.

 

ERROU

 A mesma pesquisa errou feio para o Senado, embora tenha antecipado a eleição do Capitão Styvenson (Rede). No entanto, para a segunda vaga cravou empate entre Garibaldi Filho (MDB) e Zenaide Maia (PHS), ambos com 27%. Urnas abertas, Zenaide teve 22,69% e Garibaldi, 12,93%

 

COORDENAÇÃO

 A campanha de Carlos Eduardo (PDT) deve ter novo coordenador no 2º turno. O ex-prefeito de Lajes Benes Leocádio (PTC) está bem cotado. Benes foi eleito deputado federal com mais de 125 mil votos. Ele conhece os caminhos e as veredas do RN.

 

"APOSENTADORIA"

 A partir de 1º de janeiro de 2019, Robinson Faria (PSD) ficará sem mandato depois de 33 anos. Ele foi deputado estadual por seis vezes, vice-governador e governador. Na tentativa de reeleição, ele obteve apenas 11,85% dos votos. Um fiasco.

 

 É NOTÍCIA

1 - Mais de 18 milhões de votos separam Jair Bolsonaro (PSL) de Fernando Haddad (PT). Essa é a distância que Haddad terá de superar no segundo turno das eleições presidenciais.

2 - A eleição de Alexandre Frota para deputado federal é uma das anomalias permitidas pelo estado de direito. Ele debutará em Brasília em 2019, legitimado por mais de 100 mil votos de eleitores de São Paulo. A democracia também tem ônus.

3 - O sindicalista Gilberto Diógenes (PT) ganhou mandato de vereador com a eleição de Isolda Dantas (PT) para a Assembleia Legislativa. O primeiro suplente assumirá o mandato em janeiro.

4 - Walber Virgulino, o ex-secretário de Justiça do governo Robinson Faria, se elegeu deputado estadual como o segundo mais votado na Paraíba. O "Lampião" recebeu 48.053 votos dos paraibanos.

5 - A bancada do Observador Político continua analisando o resultado do primeiro turno das eleições. Acompanhe o programa na 93 FM e TV Mossoró Canal 7, a partir das 12h.

Tags:

Coluna
César Santos
JORNAL DE FATO
eleições
Mossoró
Rosalba Ciarlini

voltar

Capacite-se: Cursos Sebraeb

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO