Sábado, 23 de março de 2019

Postado às 10h15 | 11 Jan 2019 | Coluna César Santos - 11 de janeiro

Crédito da foto: Ilustração Nepotismo sobrevive em Brasília

FALA SÉRIO, MOURÃO!

A notícia é do site congressoemfoco.com:

“O Psol anunciou, no início da tarde desta quinta-feira, 10, que entrará com uma representação contra a nomeação de Antônio Rossell Mourão, filho do vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), a assessor especial da presidência do Banco do Brasil.

Em nota, o presidente do Psol, Juliano Medeiros, afirma que a nomeação fere princípios que devem orientar a administração pública e deveria ser revogada.

A promoção do filho de Mourão veio a público na última terça-feira (8). Como novo assessor especial de Rubem Novaes, presidente do banco, o salário do filho do vice-presidente triplicará.

Como assessor da área da Diretoria de Agronegócio do BB, Antônio Mourão recebia entre R$ 12 e R$ 14 mil por mês. Seu salário no novo cargo será de R$ 36,4 mil mensais. Antonio Mourão é funcionário de carreira do banco, onde trabalha há 18 anos.

A representação tem como base o decreto de 2010, que veda o nepotismo na administração pública federal. O artigo terceiro do decreto proíbe “nomeações, contratações ou designações de familiares de Ministro de Estado, familiar da máxima autoridade administrativa correspondente ou, ainda, familiar de ocupante de cargo em comissão ou função de confiança de direção, chefia ou assessoramento” desde estágios - salvo precedido de processo seletivo isonômico - até cargos comissionados ou de confiança.

Mourão saiu em defesa do filho, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo , e disse que a promoção se deu por “mérito” e que Antônio Mourão tinha sido “duramente perseguido anteriormente” por ser seu filho.

Reportagem do jornal Gazeta do Povo mostra que o filho do vice-presidente, na realidade, foi promovido oito vezes durante a gestão petista. As constantes ascensões internas de Antônio ao longo de 18 anos de Banco do Brasil contradizem a justificativa do vice-presidente de que ele havia sido preterido nas gestões petistas por ser seu filho e que, só agora, estava sendo valorizado.

Em entrevista à revista Piauí na quarta-feira, 9, Mourão disse que não deixou seu filho desistir da promoção. “Eu disse para ele: ‘Não, meu filho. Isso aí é mérito seu e acabou, pô!”, revelou o vice-presidente Mourão.

Pois bem.

Mourão muda o discurso, de duro ficou flácido, ou derretido diante da nomeação do filho. Assim como os outros, que ele criticava, se beneficia do poder para fazer ''justiça" à competência dos seus protegidos.

A competência do filho do vice-presidente da República não é o xis da questão. Dentro do Banco do Brasil tem funcionários de carreira tão competente quanto. O fato é que o nepotismo de ontem se faz presente hoje. E o discurso é de moralidade...

 

FRASE

"Disse para ele: 'Meu filho, isso aí é mérito seu e acabou, pô'."

HAMILTON MOURÃO – Vice-presidente da República, ao afirmar que incentivou o filho a aceitar promoção dentro do Banco do Brasil.

 

LUTO

 O desembargador José Rêgo Júnior tinha 61 anos. Estava em sua casa de praia em Búzios, litoral sul potiguar, quando sofreu infarto fulminante. A sua morte enluta Mossoró, que o recebeu ainda jovem, vindo de sua terra Patu. Aqui, constituiu família e uma legião de amigos. Rêgo deixa esposa, quatro filhas e duas netas. Será sepultado hoje no Cemitério São Sebastião, às 8h.

 

NO TRT-RN

 Júnior Rêgo fez os cursos primário, ginasial e segundo grau no Colégio Diocesano Santa Luzia, tendo concluído a terceira série no Winston Churchil, em Natal. Chegou ao Tribunal Regional de Trabalho (TRT-RN) em 2009, nomeado desembargador pelo ex-presidente Lula. Presidiu a Corte entre 2013 e 2015 e ultimamente presidia a Primeira Turma de Julgamentos do Tribunal.

 

VIDA QUE SEGUE

 O governo Fátima Bezerra (PT) antecipa hoje 30% dos salários de janeiro, sem descontar encargos, exceto os agentes da segurança que recebem janeiro integral no dia 16. Assim, o novo governo inicia em "dia" com o servidor, sem pagar o "atrasado de Robinson". Mais convencional, impossível.

 

OLHE O CLICK

 Chama a atenção a foto dos sorridentes sindicalistas com Fátima Bezerra, depois do acordo de pagamento salarial sem incluir o atrasado. Pela alegria da turma do Fórum, as coisas estão indo bem. A barriga vazia dos servidores é fichinha.

 

SOCIALISTAS

 O PSB do RN que não elegeu nenhum deputado estadual caminha para duas cadeiras na Assembleia Legislativa. Os deputados Souza e Cristiane Dantas vão sair do PHS e PPL, respectivamente, para desembarcar na sigla socialista. Forçados pela cláusula de barreira.

 

“GATOS”

 A Companhia de Água e Esgotos do RN (CAERN) anuncia que cortou cerca de 4 mil ligações clandestinas no estado, com retorno financeiro de mais de R$ 900 mil. A Caern tem sofrido com "furos" na gestão financeira, e o consumidor também.

 

 É NOTÍCIA

1 - O piso nacional dos professores passa para R$ 2.557,74, a partir deste mês de janeiro. Reajuste de 4,17%, conforme determinação do artigo 5º da lei 11.738, de 16 de julho de 2008.

2 - O baiano Bel Marques abre hoje o Tibau Folia, com trio-elétrico nas ruas. Em seguida, a cantora Renata Falcão agita a arena mais concorrida do verão de Tibau. Amanhã, será a vez de Márcia Felipe fazer a festa ao lado do cantor Tuca Fernandes.

3 - O coronel Alvibá vai assumir a Direção de Pessoal da Polícia Militar. Antes, havia sido nomeado para a Corregedoria Auxiliar. O novo cargo tem importância estratégica dentro da corporação.

4 - Os servidores da saúde prometem paralisar o atendimento no Hospital Regional Tarcísio Maia, como ocorreu ontem no Walfredo Gurgel, em Natal. Estão indignados com os salários atrasados.

5 - A prefeita Rosalba Ciarlini (PP) sancionou a lei Armando Duarte Leite, em prol do futebol. Os clubes de Mossoró já podem explorar comercialmente as placas de indicação de ruas da cidade.

Tags:

Nepotismo
vice-presidente
Mourão
Banco do Brasil

voltar

AUTOR

César Santos é jornalista desde 1982. Nasceu em Janduís (RN), em 1964. Trabalhou nas rádios AM Difusora e Libertadora (repórter esportivo e de economia), jornais O Mossoroense (editor de política no final dos anos 1980) e Gazeta do Oeste (editor-chefe e diretor de redação entre os anos 1991 e 2000) e Jornal de Fato (apartir dos anos 2000), além de comentarista da Rádio FM Santa Clara - 105,1 (de 2003 a 2011). É fundador e diretor presidente da Santos Editora de Jornais Ltda., do Jornal de Fato, Revista Contexto e do portal www.defato.com.

COTAÇÃO