Quarta-Feira, 23 de maio de 2018

Postado às 10h30 | 15 Mai 2018 | Redação Pontos vulneráveis à exploração de crianças e adolescentes crescem no RN

Crédito da foto: Reprodução Segundo o levantamento, o estado tem 101 pontos considerado críticos

A 7ª edição do Projeto Mapear 2017/2018, executado em parceria entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a organização Childhood Brasil, apresenta  crescimento no número de pontos considerados vulneráveis à exploração de crianças e adolescentes em estradas e rodovias federais que cortam o Rio Grande do Norte.

Segundo o levantamento, o estado tem 101 pontos considerado críticos. No mapeamento 2013/2014 o número era de ‘apenas’ 27.

A região Nordeste é a que concentra maior número de pontos vulneráveis: 644. Também é onde está a maior concentração de pontos críticos: 156. Depois, estão Sul (575 pontos), Sudeste (468), Norte (404) e Centro Oeste (396). No caso da região Norte, houve um incremento expressivo no número de pontos vulneráveis, que passou de 160 para 404.

Entre os estados, os com maior número de pontos são Paraná (299), Pará (232), Goiás (185), Minas Gerais (184) e Ceará (180). Paraná e Pará ampliaram o número em 40% e 64%, respectivamente. Goiás manteve-se praticamente estável, com pequeno aumento de 5%. Minas teve redução de 41% e Ceará aumentou 92% o número de pontos registrados – o maior aumento entre todas as unidades da federação.

De acordo com a PRF, o objetivo do mapeamento é contribuir com os mecanismos de busca, organização e disponibilização de dados sobre a exploração, bem como no direcionamento de ações preventivas e repressivas para o enfrentamento de tal violação de direitos. Como resultado dessa iniciativa e da articulação com outros órgãos, neste biênio foram resgatadas 121 crianças e adolescentes de situação de vulnerabilidade. Entre 2005 e 2018, a PRF resgatou 4.749 crianças e adolescentes identificados em situação de risco nas rodovias federais brasileiras.

Confira aqui o Mapear 2017/2018

Tags:

Rio Grande do Norte
exploração
crianças
adolescentes
vulneráveis

voltar