Quinta-Feira, 16 de agosto de 2018

Postado às 14h15 | 14 Mar 2018 | Redação Aduern pede salários em dia até abril para encerrar a greve dos professores Universidade Estadual

Em entrevista coletivo à imprensa, nesta quarta-feira, a direção da Aduern apresenta quatro pontos para a suspensão da greve. Os pontos, por coincidência, são parecidos com a promessa feita pelo governador Robinson de atualizar os salários até maio

Crédito da foto: Marcos Garcia A coletiva de imprensa foi realizada na manhã desta quarta-feira na sede da Aduern

Durante coletiva de imprensa realizada na manhã desta quarta-feira, 14, a presidente da Associação dos Docentes do Rio Grande do Norte (Aduern), Rivânia Moura, apresentou quatro pontos que serão entregues ao Governo do Rio Grande do Norte para tentar encerrar a greve dos professores da UERN.

Os pontos são: regularização do salário até o final de abril de 2018; pagamento da folha de fevereiro até o final deste mês de março; pagamento do 13º salário até o final de maio; e apresentar um calendário de pagamento a ser divulgado até o dia 20 de cada mês.

Indagada sobre acreditar que o governo acate os pontos, Rivânia Moura diz que a categoria espera uma resposta positiva por parte do Executivo.

“Acreditamos que o governo vai dar uma resposta satisfatória. É uma obrigação dele (governo) atender esses pontos. Mesmo passado quatro meses de paralisação, acreditamos que é possível a possibilidade do governo solucionar o problema da greve.

O coordenador de Formação Política do Diretório Central do Estudantes da UERN (DCE/UERN), Paulo Sérgio, defende o documento enviado ao governo e se diz presente e disposto a lutar em defesa da instituição.

“Nós estamos presentes e dispostos e com vontade para lutar em defesa da UERN e que os servidores tenham o pagamento de seu salário em dia. Nós defendemos os pontos colocados pela Aduern”.

O técnico aposentado da UERN, Ivanaldo Xavier, revelou que a categoria acreditava na negociação com o governo, mas que se iludiu com o passar do tempo. Ele disse também que os técnicos tem passado por situações complicadas com o atraso no salário.

“Os técnicos estão querendo voltar para o trabalho, mas o atraso no salário impede. Acreditávamos na negociação com o governo, mas a realidade agora é diferente. Robinson não vem cumprindo com suas obrigações. A situação está tão grave que conversando com um servidor ele disse que pensou em uma atitude extrema quando não viu comida para os filhos (nessa hora Ivanaldo se emocionou com o relato)”.

Na última assembleia, realizada quarta-feira (7), o fim da paralisação foi colocado em votação, mas prevaleceu a continuidade da greve, com o placar apertado de 116 a 100.

A Aduern convocou uma nova assembleia para a próxima sexta-feira (16), que tem como ponto de pauta o andamento do movimento grevista na instituição, mas deve discutir também o fim da greve.

Assista na seção Vídeos do DE FATO.COM os pontos detalhados.

Tags:

Aduern
reivindicações
governo
docentes
assembleia

voltar