Quarta-Feira, 21 de novembro de 2018

Postado às 09h00 | 07 Mai 2018 | Redação Infectologista explica sobre as viroses típicas do período chuvoso

Crédito da foto: Cedida O infectologista Alfredo Passalacqua explica sobre as viroses durante o período chuvoso

Amina Costa/Da Redação

O período chuvoso traz inúmeros benefícios para os mossoroenses, mas é responsável também pelo aumento do número de casos de viroses, que se propagam neste período mais frio. Isso ocorre porque neste período de chuvas, existe maior aglomeração das pessoas e, consequentemente, dos vírus transmissores de doenças.

O médico infectologista Alfredo Passalacqua explicou que o principal vírus que vem preocupando neste período chuvoso, não apenas em Mossoró como no país inteiro, é o da influenza. “Nós estamos no meio de uma campanha de vacinação contra a influenza, principalmente a H1N1. A influenza em si, que é a famosa gripe, é a que mais acomete os mossoroenses neste período de chuvas”, contou o especialista.

Passalacqua conta ainda que existem diferenças entre a gripe e os resfriados, que são viroses respiratórias. A principal diferença entre elas é a intensidade que elas ocorrem. Segundo o infectologista, nos resfriados a garganta das pessoas pode ficar irritada, e pode ocorrer febre baixa.

“Influenza é mais grave, mais aguda, a febre é mais alta, com calafrio, tosse seca que pode evoluir para problemas respiratórios. Pode estar associada à dor no corpo, diarreia. Os sintomas são bem mais intensos e acomete, mais o pulmão, que é o principal alvo da doença”, explicou.

O especialista explicou ainda que a gripe é uma doença que ocorre durante todo o ano, mas como nesta época chuvosa as pessoas tendem a ficar mais agrupadas, a transmissão é facilitada devido o contato físico, por meio de tosses e espirros. Para evitar o contágio, Alfredo Passalacqua recomenda que as pessoas tomem bastante cuidado com a higiene, principalmente na hora de levar a mão à boca.

Questionado sobre a ocorrência de casos de pneumonia, após a influenza, o infectologista explicou que a gripe pode acarretar problemas mais sérios, dependendo da intensidade e das predisposições de cada pessoa. Ele explicou também sobre a denominação de “gripe mal curada” que muitas pessoas usam, para atribuir a problemas mais sérios causados após a influenza.

“Gripe mal curada é quando a pessoa tem a influenza e essa gripe evolui para uma pneumonia bacteriana. A gripe pode matar, dependendo da predestinação da pessoa. Pessoas com problemas cardíacos, de fígado, de rins, bronquite, por exemplo, tendem a evoluir a gripe de forma mais grave”, disse Alfredo Passalacqua.

 

Alimentação saudável é fundamental nos cuidados das viroses

Além dos cuidados recomendados pelo infectologista Alfredo Passalacqua, que dizem respeito à higienização das mãos, é imprescindível manter uma alimentação saudável, principalmente quando a pessoa já está com o vírus da influenza.

Ele explica que beber muito líquido e ingerir alimentos saudáveis ajudam bastante na recuperação das viroses. “É preciso manter o cuidado com a higiene, lavar sempre as mãos, principalmente quando existe a proximidade com pessoas que estão com o vírus, além de usar lenços sempre que for tossir ou espirrar. Para ter um melhor resultado na melhora da influenza, é importante manter uma alimentação saudável e ingerir bastante líquido”, explica o infectologista.

Para as pessoas que querem evitar o contágio das viroses, é importante evitar aglomeração de pessoas, pois nesses locais a transmissão se torna mais rápida, bem como evitar levar a mão à boca, principalmente quando existir o contato com pessoas gripadas. Quanto às pessoas que já estão com vírus, é importante ter descanso, evitando os mesmos locais aglomerados.

Tags:

infectologista
viroses
período chuvoso
Alfredo Passalacqua
H1N1

voltar