Quarta-Feira, 20 de fevereiro de 2019

Postado às 10h15 | 04 Fev 2019 | Redação Carnavalescos se sentiram enganados pela PMM com decisão de não realizar carnaval

Crédito da foto: Amina Costa Dono de escola de samba Cláudio Rodrigues, mostra fantasias feitas para o carnaval

Amina Costa/Da Redação

Os donos de escolas de samba e de blocos de carnaval de Mossoró ficaram surpresos com a decisão da Prefeitura Municipal de Mossoró (PMM) de não realizar o carnaval. Além da surpresa, o anúncio despertou o sentimento de que eles foram enganados, uma vez que a Secretaria de Cultura teria garantido a realização do evento neste ano.

Cláudio Rodrigues, proprietário da escola de samba Balanço da Mocidade, que existe há mais de 20 anos, falou para a reportagem do JORNAL DE FATO que, diante da afirmação da Secretaria de Cultura de que neste ano haveria carnaval, todos os blocos e escolas de samba se prepararam para isso. Ele conta ainda que os prejuízos com a decisão, que pegou todos de surpresa, são muitos, principalmente em relação às dívidas que foram geradas.

“A gente não estava esperando a notícia de que não haveria carnaval; pegou todos nós de surpresa. A gente só estava esperando que a prefeita nos chamasse e dissesse qual seria a ajuda de custo que seria dada. Eu não estou dizendo que ela está errada em investir em outras coisas. Só digo que nós fomos enganados, porque houve um compromisso que não foi comprido, e que ainda dá em tempo de rever a situação”, disse.

Segundo Cláudio Rodrigues, a sinalização positiva ocorreu durante uma reunião antes do período de carnaval em 2018. “Tivemos uma reunião com a Secretaria de Cultura, através do secretário Eduardo Falcão, que nos convidou no ano passado, semanas antes do carnaval, para falar sobre a impossibilidade de fazer o evento, devido a problemas no orçamento. Mas, o secretário se comprometeu com todas as agremiações que estavam presentes na reunião a fazer o carnaval neste ano”, comentou.

O proprietário da escola de samba informou ainda que, diante da possibilidade e do aval que foi dado aos que estavam presentes na reunião, os trabalhos de produção foram iniciados. São centenas de fantasias que foram confeccionadas somente pela escola de samba Balanço da Mocidade. O que agrava a situação é que os custos com a produção de todo esse material seriam pagos com os recursos que são disponibilizados pela Prefeitura quando é realizado o carnaval.

“O prejuízo que está aí são dívidas que construímos a partir dessa promessa que nos foi feita. A mão de obra tem que ser paga, a loja que compramos, e a gente não tem como. Fizemos isso confiando na palavra da Secretaria de Cultura. São prejuízos com aviamentos, com tecidos, com costureira, com carnavalescos, com tudo que envolve a montagem do carnaval. Todo o trabalho de um ano inteiro”, disse Cláudio Rodrigues.

Nesta semana, ocorreram reuniões com os donos de blocos e escolas de samba de Mossoró e a Secretaria de Cultura para discutir a questão dos gastos que foram feitos, diante da possibilidade de ter carnaval em Mossoró. A reivindicação dos carnavalescos é de que seja dada pelo menos uma ajuda de custo para diminuir as dívidas de todos os que produziram para o carnaval.

“Nós reivindicamos em reunião ocorrida com a Secretaria de Cultura que nos seja dada uma ajuda de custo para que nós não fiquemos com um prejuízo tão grande, já que a decisão da Prefeitura é não fazer carnaval. Todo mundo está nessa situação. Temos todo um material pronto, porque confiamos na palavra da Secretaria. Nós produzimos durante o ano inteiro para pagar no carnaval”, relata.

O dono da Balanço da Mocidade informou ainda que o secretário de Cultura, Eduardo Falcão, ficou muito sensibilizado com a situação das agremiações, até porque ele tinha todo um planejamento para que fosse realizado o carnaval de Mossoró. “O secretário queria que tivesse o carnaval e ele tinha o projeto para isso, mas por decisão de outras secretarias, ele nos informou que não ia ter.”

Cláudio Rodrigues pede a sensibilização da Prefeitura para a situação de todos os blocos e escolas de samba da cidade. Diante da situação, as fantasias continuam guardadas, dentro de caixas e em espaços da sua residência. A esperança é que nos próximos anos o evento aconteça, para que as fantasias sejam reformadas.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Mossoró explica que não foi feito nenhum comunicado oficial de que seria realizado carnaval neste ano. Faz quatro anos que não é realizado nenhum evento carnavalesco na cidade que seja promovido pela Prefeitura.

Atualmente, existem quatro escolas de samba, dois grupos de maracatus e oito blocos de carnaval. Nenhuma dessas agremiações vai sair, porque eles não têm dinheiro para pagar as contas que foram feitas com a produção de fantasias, alegorias, com os gastos com a mão de obra.

 

PMM alegou contenção de gastos para não promover carnaval

A Prefeitura de Mossoró anunciou no último dia 28 de janeiro que não vai haver carnaval em 2019 com recursos municipais, para conter gastos e direcionar investimentos para serviços essenciais. No dia seguinte, o secretário de Cultura, Eduardo Falcão, reuniu os carnavalescos para comunicar sobre a decisão.

“A iniciativa faz parte de uma série de ações de contenção de despesas do Município. Vamos direcionar os nossos esforços para o Mossoró Cidade Junina, que é um evento consolidado na cultura e na economia da cidade”, disse o secretário.

Eduardo Falcão destacou ainda que a prefeita Rosalba Ciarlini precisa manter rigorosamente em dia o cronograma de pagamento do servidor, entre outros programas. “As decisões estão sendo acompanhadas por uma comissão formada por diversos secretários municipais, que trata dos eventos municipais. Avaliamos tudo para o bom andamento da economia no município”, concluiu o secretário.

“Precisamos manter rigorosamente em dia o cronograma de pagamento do servidor, além de investir em programas para o homem do campo, como o Semear, que consiste na compra de sementes e óleo diesel para o corte de terra. São ações que devem ser realizadas no início do ano para aproveitamento das primeiras chuvas”, disse Rosalba Ciarlini.

Mesmo não promovendo carnaval, a PMM garante apoio para eventos carnavalescos realizados em 2019. O Município informa que os responsáveis devem procurar a Secretaria Executiva de Meio Ambiente e Urbanismo para solicitar medidas, como interdição de vias e licenciamento para a realização dos festejos.

Tags:

carnavalescos
PMM
carnaval
enganados

voltar