Joesley Batista e Ricardo Saud deixam sede da Polícia Federal em SP rumo a Brasília

Juiz suspende acordo de leniência da J&F que previa pagamento de R$ 10,3 bilhões

Polícia Federal faz busca e apreensão em imóveis de Joesley Batista e Saud em São Paulo

Joesley Batista e Saud, que se entregaram em SP, vão para o DF nesta segunda-feira

Fachin vê múltiplos indícios de prática de organização criminosa por empresários

Joesley Batista e Ricardo Saud se entregam à Polícia Federal em São Paulo

Fachin determina prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud, do Grupo J&F

Janot pede prisão de Joesley, Ricardo Saud e ex-procurador Marcelo Miller

Procurador-geral decide anular benefícios e pedirá prisão de Joesley, diz jornal

Após cerca de 3 horas, termina depoimento de Joesley na PGR em Brasília

Ministro do STF defende a prisão dos delatores da JBS, após divulgação de novos áudios

Supremo Tribunal Federal divulga a íntegra dos áudios da JBS

O GLOBO divulga áudios dos diálogos que podem anular a delação dos executivos da JBS

Rodrigo Janot diz que acordo de delação da JBS será avaliado e pode ser anulado

Fachin mantém segredo de conversas sobre negociação de Joesley com a PGR

Michel Temer é “ladrão geral da República”, diz delator Joesley Batista em nota

Segundo as investigações, os irmãos Batista teriam praticado, então, o chamado “insider trading”, que é o uso de informações privilegiadas para lucrar na venda ou na compra no mercado financeiro, com a compra de U$ 1 bilhão às vésperas da divulgação da gravação e da venda de R$ 327 milhões em ações da JBS durante seis dias do mês de abril enquanto os réus negociavam a delação premiada com a Procuradoria Geral da República.

">


Sexta-Feira, 22 de setembro de 2017

Postado às 09h45 | 13 Set 2017 | Redação Wesley Batista, irmão de Joesley Batista, é preso pela Polícia Federal em SP

Crédito da foto: Reprodução Ele foi preso na manhã desta quarta-feira (13) em São Paulo

A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta quarta-feira, 13, Wesley Batista, irmão de Joesley Batista, em São Paulo. Ele é um dos donos da J&F e diretor presidente da JBS.

Wesley foi preso supostamente por usar informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro, no período da divulgação da delação premiada dos executivos do grupo. O pedido de prisão é preventiva, ou seja, sem data para sair. Ele deverá ficar preso na capital paulista.

No último domingo, 10, o irmão de Welsey Batista, Joesley Batista e o executivo da empresa Ricardo Saud foram presos no domingo (10) após o relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, acatar os pedidos de prisão.

VEJA TAMBÉM:

Joesley Batista e Ricardo Saud deixam sede da Polícia Federal em SP rumo a Brasília

Juiz suspende acordo de leniência da J&F que previa pagamento de R$ 10,3 bilhões

Polícia Federal faz busca e apreensão em imóveis de Joesley Batista e Saud em São Paulo

Joesley Batista e Saud, que se entregaram em SP, vão para o DF nesta segunda-feira

Fachin vê múltiplos indícios de prática de organização criminosa por empresários

Joesley Batista e Ricardo Saud se entregam à Polícia Federal em São Paulo

Fachin determina prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud, do Grupo J&F

Janot pede prisão de Joesley, Ricardo Saud e ex-procurador Marcelo Miller

Procurador-geral decide anular benefícios e pedirá prisão de Joesley, diz jornal

Após cerca de 3 horas, termina depoimento de Joesley na PGR em Brasília

Ministro do STF defende a prisão dos delatores da JBS, após divulgação de novos áudios

Supremo Tribunal Federal divulga a íntegra dos áudios da JBS

O GLOBO divulga áudios dos diálogos que podem anular a delação dos executivos da JBS

Rodrigo Janot diz que acordo de delação da JBS será avaliado e pode ser anulado

Fachin mantém segredo de conversas sobre negociação de Joesley com a PGR

Michel Temer é “ladrão geral da República”, diz delator Joesley Batista em nota

Segundo as investigações, os irmãos Batista teriam praticado, então, o chamado “insider trading”, que é o uso de informações privilegiadas para lucrar na venda ou na compra no mercado financeiro, com a compra de U$ 1 bilhão às vésperas da divulgação da gravação e da venda de R$ 327 milhões em ações da JBS durante seis dias do mês de abril enquanto os réus negociavam a delação premiada com a Procuradoria Geral da República.

Tags:

Wesley Batista
Joesley Batista
Ricardo Saud
Polícia Federal
Operação Lava Jato

voltar