Sábado, 18 de novembro de 2017

Postado às 14h45 | 13 Nov 2017 | Redação Grevistas 'fecham' a Governadoria, mas Robinson Faria não recebe categoria

Crédito da foto: Sindisaúde/cedida Servidores realizam manifestação em uma das entradas à Governadoria, no Centro Administrativo, em Na

Professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e os servidores da saúde estão acampados no Centro Administrativo, sede do governo estadual, em Natal. As duas categorias fazem greve exigindo salários em dia. Na manhã desta segunda-feira (13), uma manifestação “fechou” a Governadoria, houve confronto e acirramento de ânimos durante a tentativa de ocupação do prédio.

Os policiais militares que fazem a segurança do local chegaram a usar spray de pimenta para dispersar os manifestantes e evitar a entrada deles. Os manifestantes prometem ficar no local até o governador Robinson Faria (PSD) decidir recebê-los para negociar.

O Sindicato dos Trabalhadores na Saúde (SINDISAÚDE/RN) afirma que 13 mil servidores entraram em greve nesta segunda-feira, juntamente com os médicos estaduais. No entanto a paralisação não atinge os serviços de urgência e emergência nos hospitais potiguares, de acordo com o sindicato. Devem ficar suspensas, por exemplo, marcações de exames ambulatoriais e consultas que não se encaixam em urgência e emergência.

A greve na Uern começou na sexta-feira (10). De acordo com a Associação dos Docentes (ADUERN) os cerca de 1,2 mil professores do ensino superior suspenderam atividades por tempo indeterminado nos campus da instituição em todo o estado.

O Governo do Estado emitiu nota sobre a greve dos servidores, e afirmou que "em função do acirramento dos ânimos dos servidores, não há previsão para uma reunião entre o governo e manifestantes".

Hospitais Universitários também em greve

Além dos hospitais estaduais do RN, os hospitais federais no estado também terão serviços comprometidos nos próximos 10 dias. Os empregados públicos da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), lotados nos três hospitais da UFRN, pararam suas atividades nesta segunda-feira (13) alegando descumprimento de acordos, sobrecarga de trabalho e deterioração dos atendimentos em saúde. A greve é por tempo determinado.

De acordo com o sindicato que representa a categoria, a data base das negociações trabalhistas, que é 1º de março, foi desrespeitada em oito meses. Neste período, ainda de acordo com a categoria, outros compromissos foram descumpridos.. Precarização de serviços e cortes de recursos também motivaram a paralisação no Hospital Universitário Ana Bezerra (HUAB), no município de Santa Cruz, além da Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC) e do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), ambos em Natal.

"Será garantido pleno atendimento das urgências, emergências, UTIs e outros serviços essenciais, mas lamentavelmente haverá impacto em milhares de consultas e exames. Solicitamos a compreensão da população, pois a luta é também por melhores condições no SUS", informou comunicado oficial do Sindserh.

- Com as informações do G1 - RN

Tags:

Greve
servidores
saúde
governador
Uern
professor
salários
atrasados
manifestação
Governadoria
Centro Administrativo

voltar