Quarta-Feira, 21 de novembro de 2018

Postado às 10h00 | 02 Jul 2018 | Redação Izabel Montenegro: 'Mossoró deve votar em quem trabalha pela cidade'

Crédito da foto: Marcos Garcia/JORNAL DE FATO Presidente Izabel Montenegro é a entrevista no Cafezinho com César Santos

BLOG DO CÉSAR SANTOS

A presidente da Câmara Municipal de Mossoró (CMM), Izabel Montenegro (MDB), acredita que a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) estará no mesmo palanque que o seu nas eleições deste ano. Izabel apoiará o projeto do seu partido, que defende a chapa Carlos Eduardo (PDT) para governador, com Garibaldi Filho (MDB) e Antônio Jácome (Podemos) ao Senado Federal.

O PP de Rosalba foi convidado para indicar o candidato a vice-governador. Izabel espera que a aliança seja definida para que o grupo local caminhe junto nas eleições estaduais.

Izabel Montenegro tratou o assunto no “Cafezinho com César Santos”, na tarde de sexta-feira, 29, na sede do JORNAL DE FATO, em Mossoró. Ela entende que Rosalba vai escolher um candidato a governador que tenha compromisso com a cidade que administra, e que certamente não será o atual gestor, Robinson Faria, que faz um governo distante dos anseios do cidadão.

Izabel também fala sobre o novo momento do Legislativo mossoroense, do projeto de construção da sede própria da Câmara e explica por que não se sentiu motivada para ser candidata nas eleições deste ano, apesar de vários convites que recebeu.

A CÂMARA Municipal criou uma comissão (CEI do lixo) para investigar contratos da terceirização da limpeza urbana, mas em seguida acabou com a comissão, justificando em erros no pedido de criação. Esse episódio não afeta a imagem da Casa, que já enfrenta dificuldade para ser entendida pela população?

A CÂMARA cumpriu o seu dever ao seguir fielmente o regime interno da Casa. Seguimos o artigo 122, seu parágrafo 1°, seu parágrafo 5°, na alínea “a”, que diz exatamente como deve ser formalizado o pedido de criação da CEI. Do artigo 122 até o 139 tem tudo sobre comissão especial de inquérito. Portanto, não havia como uma comissão funcionar sem respeitar o conjunto de regras da Câmara, e nós cumprimos apenas o nosso dever.

 

EXPLIQUE melhor, presidente...

NO PRIMEIRO artigo já não foi obedecido o que o regimento diz, porque não colocaram o prazo determinado de quando terminaria a CEI. Não colocaram os fatos determinados e as provas que justifiquem a abertura de investigação. Claro que o artigo não exige a apresentação de todas as provas, porque isso será constituído durante a apuração dos fatos, mas é preciso ter pelo menos algo relevante que se possa se basear, porque senão qualquer pessoa pode sugerir uma CEI por achar que tem algo errado, e não é assim que funciona. Temos responsabilidades, temos o dever de cumprir o regimento interno da Casa, e foi isso que fizemos.

MAS, a questão dos contratos emergenciais da limpeza urbana sem licitação não seria motivo para uma investigação?

O TRIBUNAL de Contas do Estado está analisando essa questão; o próprio Ministério Público Estadual já tem demanda sobre isso. Então, não é que nós vereadores queremos que as coisas corram soltas, sem fiscalização, até porque estamos fazendo a nossa parte. A gente conversou sobre os contratos de limpeza urbana com os representantes da Prefeitura de Mossoró, com técnicos do Município que cuidam dessa questão do lixo e com a própria prefeita Rosalba Ciarlini. Eles nos explicaram todo o processo, inclusive revelando que antes o quilo do lixo era 44 centavos e hoje é 22 centavos; e nos mostraram toda essa planilha e nós entendemos melhor a questão. Então, é preciso ser dito que a CEI não foi enterrada, mas sim arquivada por erro formal.

 

RECENTEMENTE, o plenário da Câmara aprovou projetos que eram de interesse do Executivo e derrubou vetos da prefeita Rosalba Ciarlini. Trata-se de um novo cenário, de maior liberdade da Casa em relação ao Palácio da Resistência?

NÃO tenha dúvida. Eu estou no meu terceiro mandato e já vi épocas em que não era permitido aprovar nem requerimento de oposição, e hoje são aprovados todos os requerimentos com pedido de informação, sem nenhuma resistência. Vetos da prefeita foram derrubados e outros projetos aprovados sem precisar do aval do Executivo. A Câmara hoje tem mostrado independência. O que não pode, porém, é a Câmara passar por cima do seu regimento para mostrar essa independência.

 

A CONSTRUÇÃO da sede própria da Câmara é o maior projeto de sua gestão, porém enfrenta dificuldades, principalmente financeira, para ser concretizado. É possível acreditar que até o final de seu mandato o novo Palácio Rodolfo Fernandes estará erguido?

NESTA semana, eu falei com a secretária Kátia Pinto (Infraestrutura, Meio Ambiente e Urbanismo) sobre o projeto da nossa sede própria, que já vai fazer um ano que foi lançado. O projeto está nas mãos do arquiteto Carlos Mendes, para serem feitos os devidos ajustes. A secretaria me disse que em razão do pouco quadro de profissionais na pasta, como técnicos, engenheiros e arquitetos, o projeto nos será entregue agora para que a Câmara possa contratar uma empresa para elaborar aqueles projetos complementares, como parte elétrica, hidráulica, estrutural. Vamos lançar uma licitação para contratar a empresa. Precisamos ter o projeto concluído para darmos um segundo passo, que é fazer o orçamento da obra. Só depois é que vamos lutar para viabilizar os recursos financeiros.

COMO a senhora vê a possibilidade de conseguir recursos para construir a sede própria, uma obra que é cara?

A CÂMARA só pode viver constitucionalmente do seu duodécimo. Teria que a Prefeitura viabilizar uma operação financeira para a construção da nossa sede. Sabemos que a Prefeitura não está numa situação fácil, porque o custeio é muito pesado e infelizmente a arrecadação vem caindo, uma vez que a máquina cresceu muito mais do que a receita. A Prefeitura poderia pensar em fazer um financiamento e descontar a prestação mensal do duodécimo da Câmara. É isso que nós queremos, é isso de que nós precisamos, mas também sabemos que a prefeita Rosalba precisa de recursos para investimentos em áreas importantes. Sabemos que a capacidade de investimentos do Município está cada vez menor, infelizmente. Entendemos a situação e, assim, vamos tentar uma solução para a construção da nova sede, que é o nosso principal objetivo.

 

A PREFEITA Rosalba Ciarlini conseguiu tirar o Município do Cauc (Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias), que havia entrado na gestão do ex-prefeito Silveira, mas a pouca capacidade de endividamento do Município impede maior volume de recursos via financiamento. Seria o grande obstáculo para a Prefeitura viabilizar recursos para a construção da sede da Câmara?

REALMENTE, a prefeita Rosalba conseguiu tirar o Município do Cauc e hoje trabalha para superar trâmites burocráticos. Até entendo que hoje a Prefeitura tem boa capacidade de endividamento, mas sei que a gestão municipal precisa de recursos para investimentos em áreas vitais. Para se ter ideia, só para recuperar a malha viária de Mossoró (asfalto, calçamento), a Prefeitura precisa de mais de R$ 200 milhões. Quer dizer, a Prefeitura tem muito em que investir para atender às demandas da população. Então, a gente vai entender qualquer medida da Prefeitura. Nós vamos falar com a prefeita Rosalba e, tenho certeza, o que for possível fazer, vai ser feito, porque é um sonho não apenas de Izabel Montenegro, mas de toda a Câmara e a da população mossoroense.

O SEU partido, o MDB, fechou aliança em chapa majoritária, com Carlos Eduardo ao Governo, Garibaldi Filho e Antônio Jácome ao Senado. A vaga de vice foi oferecida ao PP da prefeita Rosalba Ciarlini. A senhora acredita ser possível essa aliança?

PENSO que sim. A prefeita Rosalba tem conversado com todos os partidos e pré-candidatos a governador. Já teve conversa com a senadora Fátima Bezerra (PT), com o governador Robinson Faria (PSD) e tem continuado essas conversas com Carlos Eduardo. Acho que ela está certa ficar nesse compasso de espera, porque é uma decisão muito importante para o seu grupo político e para Mossoró. A nossa cidade precisa muito de um governo que faça as parcerias de que o município precisa. Rosalba pegou uma Prefeitura quebrada, a cidade desorganizada, cheia de problemas, principalmente financeiros, e se não tiver o apoio ou parceria do Governo do Estado, Mossoró não terá como sair da hecatombe em que se encontra hoje. Então, eu acredito que a prefeita Rosalba Ciarlini possa caminhar com a chapa de Carlos Eduardo, que tem a melhor proposta para o estado do Rio Grande do Norte.

 

COMO a senhora vê a possibilidade de aliança com o atual governador, que pessoas próximas a Robinson Faria cogitam?

NÃO creio nessa possibilidade. A prefeita Rosalba Ciarlini teria muita dificuldade de defender a continuidade desse governo que aí está. Aliás, não é só Rosalba; acho qualquer um terá dificuldade de defender o governo Robinson. Não é porque Robinson falou mal da prefeita por diversas vezes, até porque o momento é de a gente votar sem ódio, sem paixão, mas com consciência de escolher o melhor para o nosso estado. Cada um deve analisar o momento e procurar ver o que é melhor para o Rio Grande do Norte, o que é melhor para o seu município, para o seu povo. Com Rosalba não será diferente. Ela vai analisar sobre esse prisma também e, certamente, tomará a melhor decisão.

DE QUE forma a senhora vai se inserir no processo eleitoral deste ano?

EU SEMPRE fiquei aliada do nosso partido, o MDB, e assim será. Eu não fui chamada ainda para conversar e entendo que é uma coisa até natural, porque sempre fui fiel ao meu partido. As pessoas falam que neste momento, os vereadores estão sendo procurados por pré-candidatos que não são de Mossoró, e que esses possíveis postulantes não me procuram. Eles não me procuram porque sabem que eu sou uma pessoa definida, que eu sigo a orientação política do senador Garibaldi Filho. Então, não seria diferente agora, no momento em que o meu partido precisa mais de mim.

 

NAS eleições de 2014, apenas um deputado de Mossoró, o federal Beto Rosado (PP), foi eleito. A cidade não teve um deputado estadual eleito. Candidatos de outras regiões acabaram levando os votos dos mossoroenses. Hoje, queixa-se que esses políticos não trabalharam por Mossoró. Pode-se dizer que é um equívoco votar em nome de outras regiões?

NÃO acho que seja errado você votar em um candidato de outra cidade ou região, inclusive eu não sou mossoroense, mas sim cearense, mesmo tendo chegado aqui ainda criança. Entendo que o eleitor deve votar por seu município, por políticos que trabalham por seu município, e isso não quer dizer que nomes de outras regiões não possam ter o voto dos mossoroenses. Temos exemplos de deputados que receberam voto do eleitor de Mossoró e corresponderam com trabalho, assim como há deputados que foram bem votados aqui e não retribuíram em nada. Nas eleições passadas, um deputado federal (Fábio Faria) e estadual (Galeno Torquato), que tiveram mais de 12 mil votos em Mossoró, apoiado pelo então prefeito Silveira, realmente não olharam nem para a nossa cidade.

 

VOTAR em candidatos como os que a senhora citou não seria um equívoco, inclusive de quem aceita apoiá-los?

ACHO que o eleitor deve votar em quem trabalha por sua cidade, no caso Mossoró. Os exemplos que citei realmente não corresponderam. Para se ter ideia, o deputado Fábio Faria, quando eu fui a Brasília com uma comissão de vereadores, levando um requerimento da Liga de Estudos e Combate ao Câncer de Mossoró, ele sequer queria receber o nosso ofício. Fábio sequer destinou uma emenda à liga de Mossoró, mesmo sabendo que as ligas de Natal e Caicó recebem emendas parlamentares. Portanto, defendo que o eleitor veja quem tem compromisso com a cidade, independentemente que seja filho de Mossoró ou de outras regiões. Agora, com certeza, os filhos de Mossoró têm muito mais trabalho pela cidade do que qualquer outro.

 

A SENHORA já tem definido os candidatos que apoiará nas eleições de outubro?

NÃO. Estamos aguardando as definições em relação às alianças e, principalmente, em relação ao meu partido. Eu sempre disse, e digo, que o meu voto será para fortalecer a candidatura à reeleição do senador Garibaldi Filho. Eu não tenho nenhum problema de votar nos candidatos de Mossoró ou de outras regiões, desde que essas candidaturas venham fortalecer a de Garibaldi.

A SENHORA cumpre o terceiro mandato na Câmara de Mossoró, conquistou a presidência, e provavelmente vive o seu melhor momento político. Esse cenário não a motivou ser candidata nas eleições deste ano?

EU FUI cortejada, recebi convites até de outros partidos, recebido convite do meu próprio partido, mas não me senti motivada, não me vi candidata a um cargo em nível estadual.

 

POR quê?

PELO momento político que nós vivemos. O político hoje está satanizado. Infelizmente, parte da imprensa, principalmente da grande imprensa, tem colaborado para agravar a imagem negativa do político. Veja o quadro da Globo “O Brasil que você quer para o futuro”, que foca principalmente os comentários negativos contra o político, como se todos os políticos fossem culpados por tudo de ruim que acontece no país. A Globo não focaliza o lado positivo da classe política, as coisas boas que os políticos fazem, e infelizmente prioriza somente as coisas ruins. Vivemos um momento muito difícil, um desgaste político profundo em que a maioria dos eleitores sequer pretende votar nas eleições deste ano. Então, não me sinto motivada a ser candidata.

ACOMPANHE OS BASTIDORES DA POLÍTICA NO BLOG DO CÉSAR SANTOS

Tags:

Izabel Montenegro
entrevista
Cafezinho com César Santos
Câmara Municipal
Mossoró
política

voltar