Terça-Feira, 22 de maio de 2018

Postado às 14h45 | 12 Mar 2018 | Da Redação Estudantes da Ufersa revelam preocupação com assédios sexual no âmbito acadêmico

Pesquisa realizada na Ufersa revela que a maioria das mulheres tem medo de fazer denúncias temendo represálias, principalmente de professores. A Ouvidoria da instituição de ensino afirma necessidade de denunciar os casos de abuso e de não se calar

Crédito da foto: Assecom Ufersa Mais de 500 mulheres foram ouvidas pela pesquisa nos campus da Ufersa

O Centro de Referência em Direitos Humanos Semiárido da Universidade Federal Rural do Semiarido (UFERSA), com campus central em Mossoró, divulgou os dados referentes à pesquisa “O que querem as mulheres da Universidade?”. A apresentação do relatório faz parte das comemorações pelo Dia Internacional da Mulher, lembrado em todo o mundo no último dia 08 de março.

Os dados foram apresentados no Auditório da Biblioteca na presença do reitor José de Arimatea de Matos e de outras autoridades acadêmicas e administrativas da Universidade.

Segundo a equipe do CRDH, participaram da pesquisa 531 pessoas, que responderam o questionário virtual disponibilizado durante o mês de fevereiro. O formulário com 30 perguntas fez um diagnóstico sobre a situação atual e os anseios das mulheres dentro da Comunidade Acadêmica. A maioria das participantes da pesquisa foi de estudante do Campus Mossoró, cerca de 75% do total.

Os dados da pesquisa foram apresentados e debatidos pelos participantes que relataram os desafios e a necessidade de criar/aumentar as políticas de apoio a mulher, bem como a sua segurança em todos os ambientes acadêmicos. Na apresentação, foram reveladas as preocupações no que dizem respeito a assédios moral, sexual, discriminação, segurança, desafios da maternidade e formas de denúncia. Quanto a isso, a Ouvidoria da Ufersa participou e falou da necessidade de denunciar os casos de abuso e de não se calar. A pesquisa revelou que a maioria das mulheres tem medo de fazer essas denúncias temendo represálias, principalmente de professores.

No final da reunião, a comissão responsável pela pesquisa entregou um relatório ao reitor Arimatea Matos que parabenizou o CRDH pelo levantamento. No encontro, o Reitor reiterou os esforços da gestão para garantir a segurança e a integridade das mulheres dentro da Ufersa.  Na ocasião, já foram definidas reuniões entre Reitoria e CRDH para levantar discussões e buscar alternativas sugeridas pelo questionamento.

Confira aqui o resultado da pesquisa.

Tags:

Pesquisa
Ufersa
Mulheres
Assédio

voltar